Você deve atualizar seu iPhone e iPad agora; saiba por quê

A Apple está pedindo aos usuários do iPhone e iPad que atualizem imediatamente seus sistemas operacionais

O celular iPhone, da Apple
O celular iPhone, da Apple Foto: Tatyana Makeyeva/Reuters (28.set.2019)

Por Samantha Murphy Kelly, da CNN

Ouvir notícia

A Apple está pedindo aos usuários do iPhone e iPad que atualizem imediatamente seus sistemas operacionais para corrigir bugs de segurança que podem já ter sido explorados por hackers.

Em sua  página de suporte , a empresa disse que três falhas de segurança “podem ter sido exploradas ativamente”. Não revelou muitos detalhes sobre os bugs, observando “a Apple não divulga, discute ou confirma problemas de segurança até que uma investigação ocorra e patches ou lançamentos estejam disponíveis.”

 

O problema é um link em uma cadeia de exploit, o que significa que um hacker precisaria explorar outros bugs para ser totalmente executável. A empresa não quis comentar mais sobre quaisquer ataques.

A Apple lançou os patches de segurança na terça-feira como parte de seu novo software iOS 14.4, que também inclui correções para o atraso do teclado e permite que códigos QR menores sejam lidos pela câmera.

Segundo a companhia, dois problemas de segurança decorrem de seu WebKit, um mecanismo de navegador de código aberto usado pelos navegadores Safari e iOS. “Um hacker remoto pode causar a execução arbitrária de códigos”, disse a empresa nas notas descritivas. Enquanto isso, Kernel, uma estrutura de desenvolvedor da Apple, também foi afetada.

Os exploits foram relatados por “um pesquisador anônimo”, de acordo com o site.

A Apple se orgulha da segurança do dispositivo, mas não é imune a falhas. No ano passado, os pesquisadores do Google encontraram vários sites com códigos que permitiam que hackers se infiltrassem silenciosamente em iPhones. Enquanto isso, um bug do iOS13 expôs detalhes de contato armazenados em iPhones sem exigir uma senha ou identificação biométrica – uma falha que a empresa não abordou publicamente até vários meses depois de ser relatada pela primeira vez.

Mais Recentes da CNN