Amazon irá pagar faculdade para funcionários nos Estados Unidos

A partir de janeiro de 2022, a Amazon pagará, pela primeira vez, as mensalidades, taxas, livros, transporte e outros itens para os seus funcionários

Amazon
Amazon Reprodução

Nathaniel Meyersohndo CNN Business

Ouvir notícia

A Amazon está se oferecendo para cobrir as mensalidades da faculdade para a maioria de seus aproximadamente 750 mil trabalhadores horistas nos Estados Unidos, o último grande empregador a oferecer a vantagem de atrair e reter funcionários em um mercado de trabalho apertado.

A partir de janeiro de 2022, a Amazon pagará, pela primeira vez, as mensalidades, taxas, livros, transporte e outros itens para funcionários que desejam obter um diploma de bacharel. Ela também começará a abranger programas de diploma do ensino médio e certificações de inglês como segunda língua (ESL) para funcionários.

Os funcionários da Amazon que estão na empresa há pelo menos 90 dias poderão utilizar o benefício, e os funcionários devem continuar trabalhando em tempo parcial ou integral na Amazon enquanto assistem às aulas. Os trabalhadores da Whole Foods, de propriedade da Amazon, não são elegíveis.

A Amazon não se ofereceu para cobrir programas de bacharelado para seus funcionários no passado, mas tinha um benefício existente para cobrir os custos de matrícula para diplomas de dois anos e certificações em escolas parceiras, como o programa online da Universidade de Maryland e o Miami Dade College.

Sua mudança para adicionar diplomas de quatro anos ao seu pacote surge no momento em que empregadores rivais, como Walmart e Target reforçam seus programas de benefícios universitários para trabalhadores.

O Walmart disse em julho que estava tirando o valor anterior de US$ 1 por dia pago por seus funcionários que desejam se formar em dez parceiros acadêmicos e também começaria a cobrir os custos de seus livros. O Walmart tem cerca de 1,5 milhão de trabalhadores.

O Target anunciou em agosto que vai pagar mensalidades e livros para seus mais de 340 mil trabalhadores em cerca de 40 escolas parceiras. A empresa também disse que vai pagar até US$ 10 mil por ano para programas de mestrado dentro de sua rede de parceiros.

Falta de funcionários

A mudança da Amazon ocorre em um momento em que varejistas e armazéns em todo o país enfrentam desafios para contratar funcionários para lojas e depósitos. Em julho, havia 879 mil empregos não preenchidos no setor de varejo e 222 mil no setor de transporte e armazenamento, de acordo com os dados mais recentes do Bureau of Labor Statistics.

A Amazon disse em maio que estava contratando 75 mil trabalhadores em sua rede de logística e aumentando o salário inicial de US$ 15 para uma média de US$ 17 por hora. A empresa também está oferecendo bônus de adesão de até US$ 1.000 para atrair trabalhadores.

“Estamos gastando muito dinheiro em assinaturas e incentivos”, disse Brian Olsavsky, diretor financeiro da Amazon, em julho. “É um mercado de trabalho muito competitivo lá fora. E certamente, o maior contribuinte para as pressões inflacionárias que estamos vendo no negócio.”

A Amazon também anunciou na quinta-feira que planeja treinar 300 mil funcionários para empregos de alto crescimento e alta qualificação dentro da empresa nos próximos quatro anos, aumentando a promessa feita em 2019 de treinar 100 mil trabalhadores para novos cargos.

A Amazon oferece programas de treinamento interno para funções como engenheiros de software e TI, técnicos de data center, pesquisadores e designers.

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN