American e United Airlines alertam para demanda reduzida devido à Ômicron

Ambas companhias tiveram resultados financeiros acima do esperado, mas esperam problemas causados pela variante neste início de ano

Avião da American Airlines
Avião da American Airlines Divulgação/Instagram

Chris Isidoredo CNN Business*

em Nova York

Ouvir notícia

Tanto a American Airlines quanto a United Airlines relataram resultados financeiros acima do esperado, apesar dos problemas causados ​​pelo aumento da Ômicron durante o período de viagens de férias.

Mas ambos disseram que esperam problemas pela variante no início deste ano.

A American, a maior companhia aérea dos Estados Unidos, perdeu US$ 921 milhões no trimestre, excluindo itens especiais. Isso foi menos do que os US$ 1,2 bilhão previstos por analistas e menos da metade dos US$ 2,2 bilhões perdidos no quarto trimestre de 2020, antes que as vacinas para Covid-19 estivessem amplamente disponíveis.

A receita atingiu US$ 9,4 bilhões, mais que o dobro dos US$ 4 bilhões do ano anterior. Mais impressionante, caiu apenas 17% em relação à receita registrada no quarto trimestre de 2019, antes que a pandemia começasse a prejudicar as viagens aéreas.

Mas a empresa disse que a receita neste trimestre cairá de 20% a 22% em comparação com o primeiro trimestre de 2019, já que o aumento da Ômicron afeta a demanda por voos.

“A variante Ômicron afetou o momento de uma recuperação total da receita”, disse Robert Isom, presidente da American que deve se tornar CEO em 1º de abril. “As reservas estão se recuperando rapidamente após uma queda considerável no início de dezembro, embora ainda não de volta aos níveis pré-Ômicron.”

Ele disse que as viagens de lazer estão perto de 100% do nível pré-pandemia, e que grande parte das viagens de negócios de pequeno e médio porte também está se recuperando.

Mas as grandes viagens corporativas ainda representam apenas 40% dos níveis pré-pandemia, e as viagens internacionais ainda estão em queda significativa devido às limitações desses voos por vários governos ao redor do mundo. Esses estão entre os bilhetes mais lucrativos vendidos pelas companhias aéreas.

A United, por outro lado, reportou uma perda de US$ 520 milhões, excluindo itens especiais, que também foi melhor do que a perda de US$ 700 milhões prevista pelos analistas. Foi também uma melhoria significativa em relação aos US$ 2,1 bilhões perdidos há um ano.

Mas a companhia aérea disse que estava recuando em sua programação do início de 2022 devido à suavidade nas reservas com o aumento nos casos de Covid-19 causados ​​pela Ômicron.

A empresa disse que agora espera ter menos capacidade de passageiros em seus voos em 2022 do que em 2019, em vez do aumento da capacidade que havia previsto anteriormente. Ele disse que os novos cortes em sua programação refletem “o impacto do aumento da Ômicron na demanda”.

“Enquanto a Ômicron está impactando a demanda de curto prazo, continuamos otimistas com a primavera e animados com o verão e além”, disse o CEO Scott Kirby.

Todas as companhias aéreas enfrentaram desafios nas últimas duas semanas de 2021 e no início de 2022, devido a milhares de voos cancelados devido a um número significativo de membros de tripulações que adoeceram com a Ômicron e o mau tempo do inverno americano.

Na semana passada, a Delta informou que esses cancelamentos custaram US$ 80 milhões apenas nas últimas duas semanas de 2021.

Nem a American nem a United divulgaram custos de seus próprios cancelamentos.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN