Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aumento da gasolina faz FGV elevar projeção da inflação para o mês de janeiro

    Reajuste anunciado pela Petrobras começa a valer já nesta quarta-feira (12) nas refinarias

    Previsão é de que, nas bombas, o impacto seja de 2%.
    Previsão é de que, nas bombas, o impacto seja de 2%. 02/09/2021 - REUTERS/Ricardo Moraes

    Stéfano Sallesda CNN

    no Rio de Janeiro

    Ouvir notícia

    O reajuste de R$ 0,15 no litro da gasolina, nas refinarias, anunciado pela Petrobras e que começa a valer nesta quarta-feira (12), eleva a projeção da inflação para o primeiro mês de 2022.

    A Fundação Getúlio Vargas (FGV) trabalhava com a marca de 0,3%. Com a decisão da estatal, o patamar subiu 33%, o equivalente a 0,1 ponto percentual, e agora está em 0,4%.

    Apesar de o aumento anunciado pela Petrobras ser 4,85%, a previsão é de que, nas bombas, o impacto seja de 2%. Isto porque a gasolina comum para veículos, disponível nos postos de combustíveis, não é pura como a das refinarias.

    Ela conta com 27% de etanol anidro, mistura obrigatória, imposta por lei.

    Coordenador dos Índices de Preços da FGV, o economista André Braz destaca que o impacto em janeiro não será maior por causa da data em que foi anunciado o reajuste.

    “Como ocorreu quase na metade do mês, vamos captar em janeiro 50% do impacto deste aumento. Cada 1% de aumento da gasolina tem impacto de 0,07 ponto percentual na inflação daquele mês. E não estamos considerando o impacto do diesel, que onera o transporte público e o frete, porque é muito mais espalhado na economia e difícil de mensurar”, explica Braz.

    O economista destaca ainda que o reajuste neutralizou a redução de preços da gasolina, anunciada em 15 de novembro, pela Petrobras. Na ocasião, o custo para as distribuidoras passou de R$ 3,19 por litro para R$ 3,09.

    O preço do produto nos postos de combustíveis recuou nas últimas nove semanas consecutivas, de acordo com o Sistema de Levantamento de Preços (SLP) da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

    Segundo a Associação Brasileira de Importadoras de Combustíveis (Abicom), o reajuste faz com que a Petrobras corrija a defasagem dos preços praticados em relação ao mercado internacional.

    Até o anúncio, a entidade apontava que a diferença era de R$ 0,20 por litro, como destaca Sérgio Araújo, presidente da entidade.

    “Os reajustes já eram esperados pelo mercado, pois os preços praticados estavam muito abaixo da paridade de importação. A prática de preços alinhados ao mercado internacional é um compromisso da empresa com os seus acionistas e também com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade)”, destaca.

    Na terça-feira (11), o IBGE divulgou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), inflação oficial, que fechou 2021 com alta de 10,06%. Apontada como uma das principais vilãs do ano, a gasolina apresentou aumento médio de 46% ao longo dos últimos 12 meses, segundo dados do SLP/ANP.

    Mais Recentes da CNN