BB fechou 279 agências e reduziu número de funcionários no 1º trimestre

Foi plano de redução da estrutura física que causou atrito entre Bolsonaro ea estatal e levou à saída do presidente do banco

Agência do Banco Brasil
Agência do Banco Brasil Foto: Paulo Whitaker - 09.ago.2018 / Reuters

Aline Bronzati e Marcelo Mota, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

O Banco do Brasil fechou as portas de 279 agências no primeiro trimestre deste ano, totalizando uma rede de 4.089 unidades. Seguiu, assim, o plano anunciado na gestão anterior da instituição de diminuir a estrutura física, adequando-a à nova realidade digital do sistema financeiro, em que os clientes vão menos às agências.

Por sua vez, o número de postos de atendimento do BB foi ampliado em 179 unidades, para 1.875 ao fim de março ante dezembro. Além disso, o banco também ampliou sua rede de correspondentes bancários, a Mais BB.

De janeiro a março, teve a adição de 1.358 postos, um aumento de 10,4% em relação aos três meses anteriores. Já o quadro de funcionários encerrou março com 87.876 pessoas, 3.797 a menos na comparação com dezembro último.

Em um ano, o número chega a 4.881. O BB lembra que recentemente fez um Programa de Adequação de Quadros (PAQ) e outro de Desligamento Extraordinário (PDE), que explicam o enxugamento do quadro de funcionários.

Vale lembrar que foi exatamente o plano de redução da estrutura física e do quadro de funcionários que causou a saída do antigo presidente do BB, André Brandão. Depois do anúncio, no início do ano, parlamentares se queixaram ao presidente Jair Bolsonaro, que chegou a pedir a cabeça do executivo na época.

A relação não melhorou desde então e Brandão renunciou ao cargo. No seu lugar, Fausto Ribeiro, funcionário de carreira do BB, assumiu a presidência no início de abril.

Mais Recentes da CNN