Bezos deixa oficialmente o comando da Amazon, mas continua com amplos poderes

O executivo entregou o cargo para dedicar mais tempo a outros empreendimentos, incluindo o Washington Post, a empresa espacial Blue Origin e a filantropia

Análise de Clare Duffy, do CNN Business*

Ouvir notícia

 O fundador da Amazon, Jeff Bezos, entregará seu cargo de CEO para Andy Jassy nesta segunda-feira (5), encerrando um período de mais de duas décadas liderando a empresa em sua evolução de livraria online para um monstro de US$ 1,75 trilhão.

A empresa anunciou em fevereiro que Bezos faria a transição de CEO para presidente-executivo, dizendo que ele queria dedicar mais tempo a seus outros empreendimentos, incluindo o Washington Post, a empresa espacial Blue Origin e a filantropia.

Mas, mesmo que ele assuma para uma função menos pública na empresa, Bezos ainda terá uma enorme influência na Amazon nos próximos anos, em virtude de ser o seu maior acionista individual, um mentor de longa data do novo CEO e sua função de chefiar o conselho.

“Ele provavelmente continuará envolvido, embora não se concentre mais no dia-a-dia e, em vez disso, seja capaz de se concentrar em iniciativas de toda a empresa e novos produtos e serviços”, disse Daniel Elman, analista de tecnologia global da empresa de pesquisa de mercado Nucleus Research.

“Suas habilidades para eliminar o ruído identificando oportunidades de alto valor são únicas… então faz todo sentido para a Amazon libertá-lo da rotina operacional para maximizar essas áreas.”

A saída de Bezos do posto de CEO ocorre em um momento crítico para a Amazon. A pandemia criou uma demanda massiva por seus serviços, levando a saltos nos lucros e nas contratações. Mas o crescimento explosivo da empresa chamou a atenção dos reguladores, alguns dos quais acreditam que ela ficou grande demais.

Não ter o homem mais rico da Terra no comando da empresa poderia ajudá-la a enfrentar melhor parte desse escrutínio. E se afastar também pode ajudar a isolar Bezos de algumas críticas do legislador.

“Tenho certeza de que alguém ao longo do caminho viu [a atenção regulatória] e disse: ‘Aqui está outra vantagem desse momento'”, disse James Bailey, professor de desenvolvimento de liderança na George Washington University.

Amazon; Jeff Bezos
Bezos no início da sua empreitada com a Amazon
Foto: Paul Souders/Getty Images

A Amazon também enfrentou recentemente críticas por seu tratamento aos funcionários de depósitos, algo que Bezos prometeu resolver como presidente-executivo.

“Bezos precisa parar de ser o para-raios” na questão das práticas trabalhistas da Amazon, disse William Klepper, professor de administração da Columbia Business School, “e em vez disso inovar para sair desse estigma”.

O momento da transição de Bezos em muitos aspectos reflete o de outros fundadores do Vale do Silício, para quem abrir mão do título de CEO significava perder muito dos holofotes, mas não necessariamente todo o poder.

Os cofundadores do Google, por exemplo, perderam seus títulos executivos em 2019 em meio ao crescente escrutínio regulatório da empresa, mas eles permanecem no conselho e possuem uma classe especial de ações que lhes dá o controle de voto como acionistas.

Bezos não tem exatamente o mesmo poder de voto de acionista desproporcional, mas continua sendo o maior acionista da Amazon por uma grande margem. No mês passado, Bezos possuía 51,2 milhões de papéis, ou cerca de 10% das ações ordinárias da Amazon, muito mais do que o próximo maior acionista Vanguard Group, que detém cerca de 6,5%.

Isso significa que, se a iniciativa de um acionista buscar fazer uma grande mudança na empresa, o poder de voto de Bezos pode lhe dar alguma influência no resultado, disse Bailey.

É quase certo que Bezos também continuará a ser ouvido pelo novo CEO, Jassy. Os dois trabalharam juntos desde os primeiros dias da empresa. No início dos anos 2000, Jassy ocupou um cargo conhecido na época como a “sombra” de Bezos.

Em uma função semelhante a de chefe de equipe corporativa, ele ajudava a treinar jovens executivos promissores, disse Ann Hiatt, uma ex-sócia Bezos, ao CNN Business em fevereiro. Jassy passou a se tornar um membro de longa data do grupo de liderança de elite de Bezos, o “time S”.

Se houver um modelo claro de como a mudança de papel de Bezos pode parecer na Amazon, talvez seja o outro fundador de tecnologia com sede em Seattle que anteriormente detinha o título de homem mais rico do mundo.

Quando Bill Gates deixou o cargo de CEO em 2000, a Microsoft era uma das empresas mais poderosas do mundo, mas também estava no meio de uma batalha antitruste de anos e enfrentando a possibilidade de ser desfeita pelo governo dos Estados Unidos.

À época, Gates era visto como um monopolista implacável, mas seu foco na filantropia nos anos seguintes o ajudou a cultivar uma reputação diferente como um benfeitor global, ao mesmo tempo em que manteve um papel de liderança na Microsoft por duas décadas, até o ano passado.

*Texto traduzido, clique aqui para ler o conteúdo original

Mais Recentes da CNN