Biden amplia lista de Trump e proíbe EUA de investir em 59 empresas chinesas

China Mobile, Huawei e outras companhias de telecom e vigilância estão entre as banidas; governo americano afirma que elas ameaçam segurança do país

De acordo com integrantes do mercado, a chinesa Huawei oferece tecnologia melhor e mais barata para o 5G
De acordo com integrantes do mercado, a chinesa Huawei oferece tecnologia melhor e mais barata para o 5G Foto: Tyrone Siu - 25.mar.2019/ REUTERS

Kyle Blaine, da CNN

Ouvir notícia

O presidente norte-americano Joe Biden assinou uma ordem executiva nesta quinta-feira (3)  proibindo os americanos de investirem em 59 empresas chinesas suspeitas de estarem ligadas às forças militares da China. 

A decisão expande uma ordem anterior que já havia sido editada na administração de seu antecessor, o republicano Donald Trump. A ordem original, assinada por Trump em novembro, bania os investimentos dos americanos em 31 empresas chinesas que, segundo o governo, “possibilitam o desenvolvimento e a modernização” do exército chinês e “ameaçam diretamente” a segurança dos Estados Unidos. 

A ampliação feita por Biden, com a inclusão das 59 novas empresas chinesas na lista, cita também a ameaça da tecnologia de vigilância chinesa. O novo ato entra em vigor em 2 de agosto.

Muitas das maiores empresas de telecomunicações do país, incluindo a China Mobile, China Telecommunications e China Unicom, estão na lista negra. A fabricante de smartphones Huawei e a Hikvision, uma importante produtora e fornecedora de equipamentos de vigilância, também estão entre as banidas.

Mais Recentes da CNN