Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Camil fecha acordo de US$ 36,5 milhões para comprar produtora do Equador

    O acordo inclui direitos, marcas e contratos relacionados aos negócios da Agroindustrias Dajahu

    Foto: REUTERS/Pilar Olivares

    Roberto Samora,

    da Reuters

    Ouvir notícia

    A Camil Alimentos fechou acordo avaliado em US$ 36,5 milhões para adquirir uma produtora e processadora de arroz no Equador, expandindo agora a atuação para cinco países da América do Sul em linha com sua estratégia de crescimento, disse um diretor nesta quarta-feira (28).

    O acordo inclui direitos, marcas e contratos relacionados aos negócios da Agroindustrias Dajahu, além da totalidade das ações de emissão da companhia Transportes Ronaljavhu no Equador, informou a empresa na noite de terça-feira (27).

    A Camil, que atua no Brasil, Uruguai, Chile e Peru, avalia que a aquisição de uma das líderes em arroz no Equador ainda traz potencial de crescimento para outros produtos, em um segundo momento, assim como aponta para expansões em outros países sul-americanos.

    “Em um primeiro momento, queremos conhecer o mercado, crescer no segmento de arroz, e depois… entrar em outras categorias, na parte do pescado o Equador é fornecedor grande no setor de atum”, disse o diretor financeiro da Camil, Flávio Vargas, à Reuters.

    “Ali, futuramente podemos olhar, com o conhecimento local, conseguir alavancar outros negócios, mas no primeiro momento é crescer em arroz”, acrescentou ele.

    No chamado “arroz envelhecido”, um produto premium, a Dajahu tem fatia de mercado de 20% no Equador, enquanto detém 7% de participação das vendas totais de arroz no país.

    Segundo ele, a aquisição é “relativamente pequena” considerando o tamanho da Camil, mas está dentro da estratégia da companhia, que tem conseguido ampliar os negócios adquiridos com ganhos de eficiência e sinergias.

    Vargas disse ainda que a Camil vê oportunidades em países como Colômbia, Argentina e Venezuela, mas aguarda o melhor “timing” político e econômico.

    “Mas são países que mantemos no radar”, destacou.

    No Brasil, ele considerou que o consumo de arroz continua forte, e o mercado está mais favorável para operações de fusões e aquisições, considerada a melhor forma de ganhar participação no segmento.

    Diferentemente do que acontece em outras nações onde atua, em que o foco é o mercado de arroz, no Brasil a companhia comercializa, além de grãos, o açúcar refinado, com as marcas União e Da Barra, e também os enlatados Coqueiro e Pescador.

    A empresa disse ainda que celebrou com a IFC uma carta-mandato para o financiamento de 100% da aquisição no Equador. A concessão do empréstimo está sujeita à realização de diligências e a negociação dos contratos definitivos.

    Mais Recentes da CNN