Carros voadores podem roubar passageiros de voos comerciais, diz CEO da Avolon

Chefe de uma das maiores empresas de aluguel de aeronaves diz que sua empresa já investiu US$ 2 bilhões em carros voadores

eVTOL da Embraer
eVTOL da Embraer Foto: Divulgação

Tim Hepher, da Reuters

Ouvir notícia

Airbus e Boeing precisam estar atentas: uma das maiores donas de aeronaves do mundo disse que aviões comerciais podem ter suas asas cortadas pela rápida evolução de “táxis voadores”. 

Em algumas partes do mundo, os voos comerciais já enfrentam a concorrência dos trens de alta velocidade. Mas o chefe da Avolon, empresa irlandesa de aluguel de aeronaves, disse que a concorrência mudaria para o céu depois que sua empresa investiu US$ 2 bilhões nos táxis aéreos. 

A Avolon está na lista de clientes que esperam pelas aeronaves de decolagem e pouso vertical (eVolt) que estão sendo desenvolvidas pela Vertical Aerospace, da Inglaterra. A Vertical planeja abrir capital por meio de uma fusão com uma empresa de cheques em branco. 

O processo é parecido com o que a Embraer faz com sua subsidiária de “carros voadores” Eve. 

A Lilium, uma startup alemã de ônibus aéreo, disse em março que iria flutuar no mercado de ações dos Estados Unidos por meio de um processo semelhante.

Os negócios refletem o crescente interesse em aeronaves movidas a bateria que podem decolar e pousar verticalmente, oferecendo uma nova maneira para os viajantes evitarem o tráfego terrestre e saltarem entre as cidades.

O VA-X4 da Vertical tem um alcance de 193 quilômetros, mas isso pode ser estendido ainda mais, disse o presidente-executivo da Avolon, Domhnal Slattery, na quinta-feira (10).

“O desafio para os titulares (fabricantes de aviões) é se o alcance pode se estender por 650km, 750km”, disse em uma entrevista à Reuters.

Questionado se os veículos para quatro passageiros e um piloto poderiam atrair negócios de aviões comerciais muito maiores, Slattery disse que “eventualmente, sim, é claro. Este é o futuro inevitável.”

Os próprios fabricantes de aviões investiram nesses projetos.

Parcerias

As viagens de helicóptero também pode ser reduzida.

“Você precisa pensar que essas máquinas podem desintermediar os helicópteros por serem 100 vezes mais silenciosas e sem emissões de poluentes”, disse Slattery.

A Avolon fez um pedido de 310 eVolts no valor de US$ 1,25 bilhão e 190 opções no valor de US$ 750 milhões, disse Slattery.

Eles se juntarão a uma frota própria ou administrada de 568 aeronaves de passageiros até o Boeing 777-300ER, de 396 assentos.

Slattery disse que a Avolon ainda não decidiu como implantar os táxis aéreos, cujos ciclos de desenvolvimento de produtos relativamente curtos marcam uma mudança para empresas de leasing acostumadas a investimentos de jatos de longo prazo.

“Podemos fazer parceria com companhias aéreas, podemos estabelecer nossas próprias entidades em diferentes jurisdições ao redor do mundo, podemos fazer parceria com operadores de helicópteros”, disse Slattery.

“Acho que vamos assumir muitas formas diferentes ao longo do tempo. Mas a tecnologia está aqui e vamos liderar a comercialização dela com credenciais de emissão zero”.

A mudança ocorre em um momento em que as empresas de aviação lutam pela liderança da agenda ambiental, ao serem pressionadas por investidores para ajudar a descarbonizar os voos e reforçar suas pontuações ambientais, sociais e de governança (ESG).

A Vertical Aerospace diz que as aeronaves eVolt podem ajudar a indústria a cumprir as metas de redução de carbono por meio de emissões zero e energia elétrica, sempre que possível derivada de energia renovável.

Mas os especialistas dizem que ainda restam dúvidas sobre o momento da certificação de segurança, que os fornecedores eVolts esperam já em 2024.

Mais Recentes da CNN