Com superávit de US$ 4,5 bi, balança comercial tem pior maio em 5 anos

No mesmo mês de 2019, o saldo da balança foi superavitário em US$ 5,6 bilhões, valor 11,1% melhor que o do mês passado.

Porto de Santos, em São Paulo: Em maio de 2019, o saldo da balança foi superavitário em US$ 5,6 bilhões, valor 11,1% melhor que o do mês passado
Porto de Santos, em São Paulo: Em maio de 2019, o saldo da balança foi superavitário em US$ 5,6 bilhões, valor 11,1% melhor que o do mês passado Foto: Sergio Souza/Unplash

Anna Russi

do CNN Brasil Business, em Brasília

Ouvir notícia

Com exportações acumuladas em US$ 17,9 bilhões e importações somando US$ 13,4 bilhões, a balança comercial, que calcula a diferença entre as vendas e compras de produtos entre o Brasil e outros países, registrou saldo positivo de US$ 4,548 bilhões em maio. É o pior resultado para meses de maio desde 2015. 

Os números foram divulgados pelo Ministério da Economia nesta segunda-feira (1º). No mesmo mês de 2019, o saldo da balança foi superavitário em US$ 5,6 bilhões, valor 11,1% melhor que o do mês passado.

As quedas de 1,6% e 4,2%, respectivamente, para as médias diárias de importações e exportações explica o recuo no resultado de maio. 

Em comentário à imprensa, a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia explicou que queda das exportações decorrem da redução dos preços internacionais. “A queda do valor exportado foi resultado direto do forte recuo dos preços internacionais – função do enfraquecimento da demanda global – reduzindo em 15,6% os preços dos bens exportados pelo Brasil, em relação ao mesmo mês do ano anterior”, informou

Leia também:
PMI: Indústria brasileira contrai menos em maio, mas cenário segue preocupante
PIB: Coronavírus coloca Brasil em recessão e retomada deve ser lenta

De acordo com a pasta, considerando o volume exportado como base, as vendas de produtos brasileiros para outros países teve alta de 5,6%. Para a equipe econômica, tal percentual sinaliza o bom desempenho do Brasil no comércio exterior em meio a ruptura de cadeias produtivas globais. 

Vale destacar que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem enfatizado que a contração econômica em 2020 será amenizada pelo fato de as exportações brasileiras não registrarem forte queda. Segundo ele, o cálculo de contração de 6% do Produto Interno (PIB) considerava que 2% viriam por impactos do comércio exterior, “coisa que não tem acontecido”.

De janeiro a maio 

No acumulado do ano, o recuo do resultado da balança comercial foi de 16,4%, ante mesmo período de 2019. Também no pior resultado em cinco anos, o montante totalizou US$ 12,264 bilhões de janeiro a maio. 

Enquanto as exportações caíram 3,7%, somando US$ 67,8 bilhões, as importações recuaram 0,4%, totalizando US$ 55,6 bilhões, nos cinco primeiros meses do ano.

Clique aqui e siga o perfil do CNN Brasil Business no Facebook

Mais Recentes da CNN