Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como a invasão russa à Ucrânia está impactando a aviação global

    Após decisão de Vladimir Putin, companhias aéreas de vários países anunciaram o cancelamento de voos para a Ucrânia e Rússia

    Companhias aéreas de vários países cancelaram seus voos para a zona de conflito
    Companhias aéreas de vários países cancelaram seus voos para a zona de conflito Foto: Dominik Scythe/Unsplash

    Jennifer KornPete MunteanGregory Wallacedo CNN Business

    Ouvir notícia

    A invasão russa à Ucrânia já matou centenas, fez milhares de refugiados e ecoou por todo o mundo.

    Com espaços aéreos fechados dentro e ao redor do conflito deixando voos desviados, aumentos iminentes no preço do combustível, companhias aéreas e países bloqueando a Rússia e as sanções potencialmente impactantes da União Europeia sobre peças de aeronaves, as viagens aéreas internacionais foram duramente atingidas em várias maneiras desde que o presidente russo Vladimir Putin ordenou o ataque.

    Espaços aéreos fechados

    Ucrânia, Moldávia e parte da Bielorrússia fecharam totalmente seus espaços aéreos, resultando no cancelamento de voos nos países, além de proibir o tráfego aéreo regular de passar pelo espaço fechado. A Agência de Segurança da Aviação da União Europeia (EASA) dobrou seu alerta de segurança existente na sexta-feira (25), expandindo o alerta para companhias aéreas e outros operadores civis de 100 milhas náuticas para 200 milhas náuticas da fronteira ucraniana com a Rússia devido a temores de “mísseis de médio alcance penetrando em espaço aéreo controlado.” A EASA disse, na quinta-feira (24), que “os operadores devem ter extrema cautela”.

    “Em particular, existe o risco de direcionamento intencional e identificação errônea de aeronaves civis”, disse a agência. “A presença e o possível uso de uma ampla gama de sistemas de guerra terrestres e aéreos representam um alto risco para voos civis operando em todas as altitudes e níveis”.

    Como resultado dos fechamentos e voos militares, o espaço aéreo sobre a Ucrânia e sua fronteira com a Rússia está vazio, de acordo com sites de rastreamento de voos. Um voo da El Al com destino a Toronto fez uma rápida inversão no espaço aéreo ucraniano na quinta-feira (24), mostrou o site de rastreamento FlightRadar24. Um avião operado pela LOT Polish Airlines com destino a Kiev deu meia-volta, assim como voos com destino a Kiev operados pela Air India e Aegean Airlines, segundo a Reuters.

    Há riscos reais em voar sobre zonas de conflito – como a queda do voo 17 da Malaysia Airlines em 2014 sobre o leste da Ucrânia por um míssil de fabricação russa, matando 298 pessoas. Autoridades ocidentais e uma investigação liderada pela Holanda disseram que o presidente russo, Vladimir Putin, é o responsável pelo incidente, uma acusação que Putin negou.

    Resposta dos EUA

    O governo dos Estados Unidos está expandindo a área ao redor da Ucrânia onde os pilotos americanos estão proibidos de voar, com a Administração Federal de Aviação dizendo que a região de exclusão aérea “agora cobrirá todo o país da Ucrânia, todo o país da Bielorrússia e uma parte ocidental da Rússia”, em um aviso ampliado publicado na quinta-feira (24). As restrições não se aplicam para operações militares.

    Antes desta atualização, a FAA proibia voar apenas na região leste da Ucrânia desde 2014, embora nenhuma companhia aérea dos EUA opere voos de ou para a Ucrânia.

    Um alerta dos EUA está em vigor desde janeiro, pedindo aos cidadãos que evitem viajar para a Ucrânia devido à “tensão contínua ao longo da fronteira com a Ucrânia, ao potencial de assédio contra cidadãos norte-americanos, à capacidade limitada da embaixada de ajudar os cidadãos na Rússia”, bem como pela Covid-19 e outros fatores. O aviso foi atualizado na quinta-feira (24), dizendo aos norte-americanos para não viajarem para a Ucrânia “devido ao conflito armado e a Covid-19”, alertando que o governo dos EUA não poderá evacuar cidadãos.

    A Delta anunciou, na sexta-feira (25), que suspenderá a maior parte de sua cooperação com a Aeroflot, a maior companhia aérea da Rússia. As duas companhias têm um acordo de compartilhamento de código, que permite que passageiros que reservem pela Delta sejam colocados em um voo da Aeroflot e vice-versa. O contrato foi rescindido imediatamente, informou a Delta.

    A American Airlines está redirecionando seu voo Delhi-Nova York. A United Airlines, no entanto, continua a usar o espaço aéreo russo para voos Delhi-Chicago e Delhi-Newark, de acordo com o Flightradar24 e a Reuters. A United disse à CNN Business que não houve impacto em seus voos.

    As ações das companhias aéreas flutuaram à medida que as notícias da invasão se desenvolviam, e espera-se que as tarifas das passagens subam por conta do aumento dos preços do petróleo e às rotas de voo potencialmente mais longas como resultado dos vários fechamentos do espaço aéreo.

    Ações Europeias

    O primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki anunciou, na sexta-feira (25), que seu país está se preparando para fechar seu espaço aéreo às companhias aéreas russas. “Ordenei a preparação de uma resolução do conselho de ministros que levará ao fechamento do espaço aéreo sobre a Polônia para as companhias aéreas russas”, postou Morawiecki no Facebook.

    Em coordenação com a Polônia, o ministro tcheco dos Transportes, Martin Kupka, twittou, na sexta-feira (25), que a partir da meia-noite, as transportadoras russas também seriam banidas do espaço aéreo da República Tcheca. Kupka também anunciou que a Czech Railways (CD) estaria emitindo passagens de trem gratuitas para qualquer cidadão ucraniano que desejasse sair do país em um de seus trens. Ingressos gratuitos estão sendo fornecidos a qualquer pessoa com passaporte ucraniano.

    O Reino Unido baniu todas as aeronaves civis russas de seu espaço aéreo como parte de um pacote de sanções anunciado pelo primeiro-ministro, Boris Johnson, que entrou em vigor à meia-noite da sexta-feira (25) e deve expirar em 23 de maio. Todos os voos registrados no Reino Unido, bem como qualquer aeronave de propriedade, arrendada ou operada por um indivíduo associado ao país, agora estão banidos do espaço aéreo russo, de acordo com um comunicado da Agência Federal de Transporte Aéreo da Rússia, na sexta-feira (25).

    A companhia aérea nacional russa Aeroflot atualmente opera voos diretos entre Moscou e Londres-Heathrow e Gatwick, de acordo com seu site.

    A British Airways, que opera três voos por semana para Moscou, suspendeu todos os serviços para a Rússia. “Pedimos desculpas pelo inconveniente, mas este é claramente um assunto além do nosso controle”, disse a companhia em comunicado. “Estamos notificando os clientes sobre serviços cancelados e oferecendo um reembolso total.” A aérea também alertou que alguns voos para a Ásia seriam redirecionados, causando voos potencialmente mais longos.

    “O impacto para nós não é grande porque agora estamos voando apenas para um pequeno número de destinos na Ásia e podemos redirecionar nossos voos”, Luis Gallego, CEO da IAG, controladora da British Airways que também possui a Iberia, Aer Lingus e Vueling, à Reuters.

    Algumas companhias aéreas comerciais, incluindo Lufthansa e Air France, já haviam suspendido voos para a Ucrânia no início da semana, à medida que as tensões aumentavam. A Virgin Atlantic também está suspendendo voos de carga entre Londres e Xangai enquanto considera redirecionar esses serviços, e a Wizz Air, com sede na Hungria, transmitiu aos clientes que todos os voos de e para a Ucrânia seriam suspensos até novo aviso. A companhia aérea também anunciou esforços para evacuar a tripulação baseada na Ucrânia, suas famílias e aeronaves na quinta-feira (24).

    A Ukraine International Airlines (UIA) anunciou, na quinta-feira (24), a suspensão dos voos de e para a Ucrânia até 27 de fevereiro, como resultado do espaço aéreo fechado e da situação atual. De acordo com o comunicado, a UIA mantém uma ligação com o Ministério das Relações Exteriores e o Ministério da Infraestrutura da Ucrânia. “Dada a difícil situação da lei marcial, a companhia aérea chama a atenção para a possibilidade de atrasos forçados e dificuldades de feedback nos canais de atendimento de comunicação com os passageiros e conta com a compreensão”, disse a UIA aos clientes.

    A União Europeia concordou em proibir a exportação de aeronaves e peças de reposição necessárias para a manutenção das frotas russas, disse Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, na sexta-feira (25), após uma reunião de seis horas sobre uma segunda onda de sanções. Von der Leyen disse que a proibição de exportação afetaria a conectividade russa e atingiria um setor econômico importante.

    Decisões russas

    Além da proibição de voos do Reino Unido, a Rússia suspendeu voos domésticos de e para vários aeroportos perto de sua fronteira com a Ucrânia, incluindo Rostov-on-Don, Krasnodar e Stavropol, até 2 de março. Um aviso aos pilotos disse que a medida era “para fornecer segurança” aos voos civis.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN