Déficit comercial dos EUA atinge recorde em junho

As importações de bens aumentaram 1,8%, para U$$ 239,1 bilhões, também uma máxima recorde

Bandeira dos Estados Unidos
Bandeira dos Estados Unidos Foto: Kevin Lanceplaine / Unsplash

Lucia Mutikani,

da Reuters

Ouvir notícia

O déficit comercial dos Estados Unidos atingiu uma máxima recorde em junho, uma vez que os esforços das empresas em recompor os estoques para atender à demanda robusta de gastos do consumidor atraíram mais importações.

O Departamento do Comércio informou nesta quarta-feira que o déficit comercial aumentou 6,7%, para U$$ 75,7 bilhões em junho, um recorde histórico.

Economistas consultados pela Reuters esperavam um déficit de U$$ 74,1 bilhões.

As importações de bens aumentaram 1,8%, para U$$ 239,1 bilhões, também uma máxima recorde. As exportações de bens aumentaram 0,2%, para U$$ 145,9 bilhões em junho, máxima histórica.

O governo norte-americano informou na semana passada que os gastos do consumidor aumentaram no segundo trimestre, com um crescimento sólido nas despesas com bens, mesmo com a demanda voltando para serviços devido à vacinação contra a Covid-19.

O crescimento de dois dígitos nos gastos do consumidor no último trimestre ajudou a deixar o nível do Produto Interno Bruto (PIB) acima de seu pico no quarto trimestre de 2019. Os estoques das empresas se esgotaram rapidamente no segundo trimestre.

A economia dos EUA se recuperou mais rapidamente da pandemia do que seus principais rivais devido ao enorme estímulo fiscal, às baixas taxas de juros e a um alto nível de vacinação contra o coronavírus. Isso está pressionando o déficit comercial, que atuou como peso negativo sobre o PIB por quatro trimestres consecutivos.

 

Mais Recentes da CNN