Dólar volta a fechar aos R$ 5, com cautela sobre aprovação de pacote nos EUA

Internamente, investidores monitoram efeitos do polêmico pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre o coronavírus

Após chegar ao patamar de R$ 5,20, moeda americana começa a ceder em relação ao real (14.nov.2014)
Após chegar ao patamar de R$ 5,20, moeda americana começa a ceder em relação ao real (14.nov.2014) Foto: Gary Cameron/Reuters

Do CNN Brasil Business, em São Paulo*

Ouvir notícia

O dólar fechou em queda nesta quarta-feira (25), mas novamente acima dos R$ 5 reais, com a baixa desacelerando conforme investidores perceberam divergências no debate para aprovação do pacote trilionário dos Estados Unidos para combater a crise do coronavírus.

No fim da sessão, a moeda norte-americana caiu 0,96%, aos R$ 5,0334. Na mínima do dia, chegou a ser cotada a R$ 4,9735.

Toda a expectativa se volta para a aprovação de um pacote de US$ 2 trilhões em ajuda econômica a empresas e cidadãos norte-americanos. Já foi anunciado acordo entre o governo Trump e o Congresso dos EUA para dar passagem ao projeto. Mas ao longo da tarde a demora na aprovação pelo Senado e comentários de parlamentares de lá adicionaram cautela aos negócios.

Mais estímulo fiscal nos EUA é visto por vezes como um fator positivo ao dólar, mas analistas do Morgan Stanley explicam que desta vez o evento tende a ser negativo para a moeda, o que explica a baixa recente do dólar frente a vários rivais.

“Vemos como negativo ao dólar na medida em que isso ajuda a compensar forças deflacionárias globais e adiciona uma sustentável fonte de liquidez em dólar e demanda importada dos EUA ao sistema global”, disseram estrategistas do banco, em nota.

O Banco Central (BC) voltou a realizar leilões de câmbio nesta sessão, mas apenas para rolagem de linhas no valor de US$ 3,3 bilhões.

Nesta quarta, o dólar caía 1,2% contra o rand sul-africano, 1,8% ante o dólar canadense e 3,6% frente ao peso mexicano, divisas sensíveis ao cenário de risco.

*Com informações da Reuters 

Tópicos

Mais Recentes da CNN