Elon Musk diz que quer “todos os humanos reais verificados” no Twitter

Plano pode ter grandes ramificações para as centenas de milhões de usuários do Twitter

Elon Musk, CEO da Tesla e da SpaceX
Elon Musk, CEO da Tesla e da SpaceX REUTERS

Brian Fungdo CNN Business

Ouvir notícia

Enquanto o público vasculha o feed do Twitter de Elon Musk em busca de pistas sobre como o empresário bilionário pretende administrar a plataforma de mídia social que está comprando por US$ 44 bilhões, um ponto misterioso se destaca: “verificar todos os humanos reais”, dito em sua publicação após o anúncio da compra.

Essa proposta enigmática é vaga o suficiente para manter as pessoas adivinhando o que Musk tem em mente, mas específica o suficiente para oferecer vários caminhos possíveis enquanto ele procura moldar o Twitter mais ao seu gosto.

Por exemplo, Musk poderia tentar exigir nomes reais nas contas. Ou talvez ele continue a permitir pseudônimos, mas exija identificação com foto ou integração com serviços de terceiros onde os usuários já são conhecidos.

Dependendo do resultado, o plano pode ter grandes ramificações para as centenas de milhões de usuários do Twitter.

A vontade de Musk de “autenticar” os usuários do Twitter decorre de uma de suas maiores preocupações com a plataforma: contas de spam, particularmente aquelas que promovem golpes de criptomoedas. Muitas vezes não é difícil encontrar essas contas à espreita nas respostas aos tweets de Musk; muitos até tentam negociar sua celebridade e atrair os desavisados ​​​​representando-o.

Não ajudou que, no verão de 2020, a conta verificada de Musk tenha sido afetada por um ataque hacker generalizado no Twitter que levou usuários como o ex-presidente Barack Obama e Kanye West a espalhar involuntariamente um golpe de bitcoin. Bots de spam de criptomoedas, disse Musk, representam o “problema mais irritante” do Twitter.

O diagnóstico de Musk pode refletir as experiências de um tipo muito particular de usuário, mas acontece que esse usuário em breve controlará o design da plataforma. Como parte de sua solução para combater bots de criptomoedas, Musk quer facilitar a separação de contas reais de contas falsas sob sua proposta de “autenticar todos os humanos reais”.

Se o objetivo é garantir que todas as contas estejam vinculadas a uma pessoa de carne e osso, a plataforma precisará de alguma forma de verificar se são reais. Uma possibilidade é uma expansão do programa de verificação existente do Twitter.

Atualmente, para receber uma certificação em suas contas, os usuários precisam fornecer um link para um site oficial ao qual são afiliados, um endereço de e-mail oficial ou uma forma de identificação emitida pelo governo. Musk poderia deixar de exigir identificação, mas exigir que os usuários usem seus nomes reais.

Ele também poderia explorar outros métodos, como vincular contas a cartões de crédito ou confiar mais em CAPTCHAs para derrotar bots, disse Jillian York, diretora de liberdade de expressão internacional do grupo de direitos digitais Electronic Frontier Foundation.

Os CAPTCHAs não são uma panaceia, no entanto, à medida que os bots se tornaram mais sofisticados, os CAPTCHAs tiveram que se tornar cada vez mais difíceis para os humanos resolverem no que poderia ser descrito como uma corrida armamentista tecnológica.

Seja qual for o método que ele escolher, York e outros especialistas disseram que Musk provavelmente enfrentará desafios que se enquadram em duas categorias principais: acesso e privacidade.

Acesso significa garantir que todas as pessoas que desejam usar o Twitter possam acessar a plataforma. Com um sistema que vincula contas a cartões de crédito, por exemplo. York disse que o Twitter corre o risco de excluir todos aqueles que não os têm.

“Talvez eles sejam jovens demais para ter um cartão de crédito ou tenham crédito ruim e não possam ser aprovados. Talvez eles não gostem de ter suas transações de cartão de crédito negociadas com corretores de dados ou simplesmente prefiram usar dinheiro por razões culturais. Vincular a autenticação ao crédito ao consumidor “excluiria milhões de pessoas”, disse.

Depois, há a questão da privacidade. Embora muitos usuários possam sentir que não têm nada a esconder, um sistema que os força a enviar suas informações de identificação pessoal cria um único ponto de falha.

Não apenas mais usuários teriam que confiar no Twitter para não abusar de suas informações pessoais, mas o próprio Twitter se tornaria um alvo muito maior para governos repressivos (que poderiam usar demandas legais para obrigar o Twitter a entregar as informações) ou cibercriminosos motivados por roubo de identidade.

Os cibercriminosos até se passaram por verdadeiros agentes da lei para atender a solicitações fraudulentas do governo de dados de empresas de tecnologia. O Twitter poderia prometer excluir os registros, mas estaria apenas mitigando um risco que criou para si mesmo.

A questão da privacidade é particularmente preocupante para grupos de direitos humanos, disse Natalia Krapiva, advogada do grupo de direitos digitais Access Now, “especialmente para pessoas em países como a Rússia e outros onde os indivíduos são severamente perseguidos por criticar o governo ou cobrir eventos políticos importantes como os protestos, a corrupção ou a guerra na Ucrânia”.

Mesmo uma política de nomes reais pode ser um desafio. O Facebook tem alguma experiência com isso; a empresa foi forçada a fazer mudanças em sua política de nomes em 2015, depois que os críticos apontaram que as vítimas de abuso e outros grupos vulneráveis ​​tinham boas razões para usar pseudônimos.

As mudanças no Facebook elevaram o nível de denúncia de um nome falso e permitiram que os usuários fornecessem motivos à empresa por que evitam usar seus nomes reais.

Isso aponta para o quão complexo pode se traduzir um princípio que parece simples, como “autenticar todos os humanos reais” em um recurso funcional do produto. A questão não é o objetivo ou a motivação; é que os humanos são criaturas complicadas com circunstâncias pessoais que raramente se encaixam perfeitamente em caixas.

Após anos de tentativa e erro, as plataformas de tecnologia já desenvolveram lições importantes sobre autenticação de usuários que podem beneficiar Musk, disse York.

“Se ele apenas quer dizer coisas como CAPTCHAs, acho que ele terá uma surpresa”, disse York. “Ele falou muito sobre como se livrar dos bots, mas o Twitter vem tentando fazer isso há anos e acho que ele logo perceberá que não é um problema fácil de resolver”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN