Empresas estão sendo mais duras com a Rússia do que exigem sanções; entenda

Há muitas razões comerciais para evitar a Rússia
Há muitas razões comerciais para evitar a Rússia REUTERS/Dado Ruvic

Chris Isidoredo CNN Business

Ouvir notícia

Os governos de Nova York não são os únicos a apertar os parafusos da economia russa. Dezenas de grandes empresas multinacionais estão fazendo o mesmo.

Um número crescente de empresas está optando por encerrar suas operações na Rússia – mesmo que não sejam obrigados. Empresas de vários setores estão saindo da Rússia, da Apple à Ikea, à ExxonMobil e à General Motors.

As empresas dizem estar preocupadas com a invasão da Ucrânia pela Rússia, que provocou indignação generalizada nos Estados Unidos e em muitos países europeus. Se eles estão se retirando para cumprir as sanções do governo, nem sempre é claro. O que é certo é que há muitas razões comerciais para evitar a Rússia.

Em primeiro lugar: incerteza. Investir dinheiro e vender bens pelos quais as empresas seriam pagas com um rublo russo severamente desvalorizado é uma má decisão de negócios. Por que enviar um carro ou um smartphone para a Rússia quando há forte demanda e preços para o produto nos mercados ocidentais?

As sanções ao setor bancário russo podem dificultar a compensação de algumas dessas vendas. E as restrições que a Rússia está colocando em esforços para remover capital do país, podem significar que as empresas não terão como retirar os lucros que obtiveram na Rússia.

“As empresas estão se perguntando: ‘Quero continuar com algo em que não sei se um contrato que assino hoje pode ser executado semanas ou meses no futuro'”, disse Josh Lipsky, diretor do Centro GeoEconomics da Atlantic Council, um think tank internacional.

“A aflição geral no sistema financeiro russo o torna muito incerto. As empresas odeiam a incerteza. Isso é incerteza sobre os esteróides.”

Ainda assim, disse Lipsky, o grande número de empresas saindo da Rússia é incomum, mesmo para uma crise como essa.

“Geralmente, se houver oportunidades de ganhar dinheiro, eles continuarão investindo em um mercado”, disse ele. “Mas há um consenso de que não é apropriado vender esses produtos. Essa é uma dinâmica interessante que eu não tinha visto antes.”

Até o Kremlin está reconhecendo que as ações empresariais de empresas em todo o mundo estão criando uma crise econômica para o país.

“A economia da Rússia está passando por sérios golpes”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em uma ligação com jornalistas estrangeiros.

O primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, foi citado nas agências de notícias estatais TASS e RIA na terça-feira (1º) dizendo que o governo russo está analisando quais medidas pode tomar para impedir que as empresas ocidentais retirem capital da Rússia.

Um fator que está tornando mais fácil para as empresas desligarem as operações russas: não é uma grande potência econômica global. O produto interno bruto da Rússia é cerca de 25% menor que o da Itália e mais de 20% menor que o Canadá, nações com uma fração de sua população, segundo o Fundo Monetário Internacional.

É basicamente um fornecedor de energia e outras commodities – trigo , madeira serrada e uma variedade de metais, como alumínio, a maioria dos quais está disponível em outros lugares.

“Existem alternativas”, disse Lipsky. “As empresas são capazes de encontrar esses outros mercados e parceiros comerciais e atender a todos os requisitos fiduciários de seus acionistas. Eles tomaram a decisão de que a Rússia não vale o risco.”

A aversão ao risco é clara no comércio de energia. As sanções de vários países ocidentais até agora isentaram o setor petrolífero da Rússia, na esperança de evitar escassez e aumentos de preços nos mercados globais de energia.

Mas grande parte do petróleo russo oferecido para venda não é vendido, apesar dos grandes descontos. Os traders não têm certeza se quaisquer acordos que eles façam para os petróleos russos podem ser fechados, dadas as pesadas sanções aos bancos russos.

Encontrar petroleiros para escalar portos russos tem sido difícil – assim como companhias de seguros dispostas a segurar os navios e remessas. Tudo isso criou o que o analista de petróleo Andy Lipow, da Lipow Oil, caracterizou como uma “proibição de fato” do petróleo russo.

— Mark Thompson, Vasco Cotovio, Peter Valdes-Dapena, Frank Pallotta e Brian Fung contribuíram para este relatório

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN