Escalada dos preços é uma questão no mundo todo — e deve continuar sendo em 2022

Enfrentando custos persistentemente mais altos, empresas não esperam que a situação se resolva tão cedo

Está mais caro produzir com gargalos da cadeia de abastecimento, e a enorme demanda empurra para cima o preço das matérias-primas
Está mais caro produzir com gargalos da cadeia de abastecimento, e a enorme demanda empurra para cima o preço das matérias-primas athree23 por Pixabay

Julia Horowitzdo CNN Business

Ouvir notícia

A escalada dos preços nos supermercados, nas farmácias e em diversos outros setores da economia foi sentida globalmente. E, infelizmente, as altas não devem estar no fim.

O que está acontecendo? As empresas que fabricam bens de consumo estão anunciando aumentos de preços a torto e a direito. Enfrentando custos persistentemente mais altos, elas não esperam que a situação se resolva tão cedo.

“A inflação continuará a ser um tema chave para o restante deste [ano] e para o próximo”, disse recentemente a analistas o CEO da Unilever, Alan Jope.

A Unilever (UL), que fabrica a Dove e a Ben & Jerry’s, disse na semana passada que aumentou os preços em 4,1% no terceiro trimestre para “compensar o aumento dos custos das commodities e outros insumos”.

Ela não estava sozinha. A Nestlé (NSRGF) – dona das marcas Nescafé, Toll House e Häagen-Dazs – disse que aumentou os preços em 2,1% em seu último trimestre e que continuará a aumentá-los conforme necessário para o resto de 2021 e 2022.

“A situação não melhorou”, disse o CEO da Nestlé, Mark Schneider. “No mínimo, estamos vendo mais desvantagens em comparação com o que dissemos no verão.”

O problema: está custando mais para fabricar produtos com gargalos da cadeia de abastecimento. Além disso,  a enorme demanda por produtos empurra para cima o preço das matérias-primas.

Salários mais altos necessários para lidar com a escassez de mão de obra, aumento nas taxas de envio e um aumento nos preços da energia também estão aumentando as despesas.

Isso pressiona os fabricantes a cobrar mais ao vender para as lojas. Esses varejistas, então, precisam decidir se repassam os custos mais altos aos clientes. Muitos acabam repassando.

Durante a maior parte do ano, economistas, investidores e formuladores de políticas têm debatido se a inflação é um fenômeno passageiro que vai diminuir com o recuo da pandemia ou um estado mais permanente.

Muitos executivos estão começando a se afastar da ideia de que é “transitório”, como afirma o Federal Reserve (Fed, banco central americano).

Enquanto o CEO do JPMorgan Chase (JPM), Jamie Dimon, disse que acha que os problemas da cadeia de suprimentos foram exagerados e vão melhorar no próximo ano, a maioria dos diretores financeiros acha que as interrupções durarão “até o segundo semestre de 2022 ou mais tarde”, de acordo com uma pesquisa recente da Fuqua School of Business da Duke University e do Federal Reserve Banks de Richmond e Atlanta.

Alguns banqueiros centrais também estão começando a mudar sua linguagem.

O principal economista do Banco da Inglaterra está alertando que a inflação pode subir acima de 5% no início do próximo ano no Reino Unido.

“Eu não ficaria chocado – digamos assim – se vermos uma impressão de inflação perto ou acima de 5% [nos próximos meses]”, disse Huw Pill ao Financial Times. “E esse é um lugar muito desconfortável para um banco central com uma meta de inflação de 2%.”

Pill não quis revelar como votaria na próxima reunião do Banco da Inglaterra no início de novembro, mas disse que a questão de se o banco central deve aumentar as taxas de juros de 0,1%, onde estão desde o início da pandemia, é “ao vivo”. Os bancos centrais usam taxas de juros para manter a estabilidade de preços.

O governador do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, disse no início deste mês que o banco central “teria que agir” em resposta à alta dos preços. Ele disse que continua “acreditando que o aumento da inflação será temporário”, mas reconheceu que pode durar mais do que se pensava anteriormente, como resultado da alta nos preços da energia.

Efeito da inflação sobre ações de tecnologia vai durar?

As ações de tecnologia subiram em outubro após um setembro brutal, quando as preocupações com a inflação levaram os investidores a abandonar empresas como Amazon (AMZN), Microsoft (MSFT) e Apple (AAPL).

Os investidores americanos, pensando que os bancos centrais poderiam se tornar mais agressivos nos planos para reverter o apoio à economia da era da pandemia, aumentou a venda de títulos do governo, elevando os rendimentos.

Isso prejudicou ações de empresas de tecnologia. Quando os rendimentos dos títulos do governo são extremamente baixos, tende a aumentar o interesse em investimentos mais arriscados que oferecem melhores retornos.

A avaliação das empresas de tecnologia também está ligada aos lucros futuros, que parecem menos brilhantes quando a inflação e as taxas mais altas entram em cena.

As preocupações foram deixadas de lado por enquanto. As ações de tecnologia recuperaram terreno nas últimas semanas, à medida que os investidores antecipam o último lote de lucros corporativos.

Sinais de alerta

Na sexta-feira, as ações da Snap despencaram depois que a empresa disse que seu negócio de publicidade estava sendo prejudicado por mudanças na política de privacidade da Apple lançadas no início deste ano. O Facebook (FB) também alertou que pode ser severamente afetado.

As ações da Intel (INTC) também caíram drasticamente depois que a empresa disse que seus esforços para lançar a tecnologia de chip de próxima geração prejudicariam suas margens de lucro por anos.

Facebook, Google, Alphabet, Apple (AAPL), Amazon e Microsoft faturaram mais de US $75 bilhões no segundo trimestre.

Como os cinco maiores membros do S&P 500, se eles conseguirem manter níveis rápidos de crescimento, isso terá grandes consequências para o mercado mais amplo.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Tópicos

Mais Recentes da CNN