Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Comerciantes em Kiev adaptam negócios para ajudar militares ucranianos

    Antes da invasão, empreendedores administravam startups em crescimento ou empresas familiares transmitidas por gerações

    Guerra na Ucrânia já caminha para o segundo mês de duração
    Guerra na Ucrânia já caminha para o segundo mês de duração 06/04/2022REUTERS/Marko Djurica

    Parija Kavilanzdo CNN Business

    Ouvir notícia

    Em Kiev, um grupo de pequenos empresários está ocupado no trabalho. Há uma guerra em torno deles e eles são lembrados de quão perto o perigo está sempre que as sirenes de alerta disparam na capital ucraniana.

    Eles o descrevem como um som chocante, mas eles superam o medo porque dizem que a invasão russa contra a Ucrânia, que começou há quase 50 dias, em 24 de fevereiro, deu a eles um novo propósito – servir sua comunidade e país de uma maneira diferente.

    Antes da invasão, esses empreendedores administravam startups em crescimento ou empresas familiares transmitidas por gerações. Suas empresas vendiam produtos como sapatos personalizados, pães e pizzas no bairro histórico de Kiev e ferramentas de e-learning para estudantes, professores e profissionais.

    No meio da guerra, eles mudaram suas missões e agora estão utilizando seus recursos para fornecer itens extremamente necessários, como alimentos, primeiros socorros e até botas de combate para os militares da Ucrânia.

    Pizzaria preparando refeições na cozinha do porão

    Levou apenas quatro dias para a TC Pizza, localizada no centro de Kiev, se transformar de uma pizzaria local em um centro de preparação para um grupo rotativo de voluntários preparando centenas de refeições em caixas.

    Anton Fursa, um diretor de fotografia ucraniano que é co-proprietário do negócio, disse que fechou a pizzaria em 24 de fevereiro, quando a Rússia começou seu ataque na Ucrânia. “Quatro dias depois estávamos abertos e preparando refeições para quem precisasse de comida”, disse Fursa.

    A intensificação dos ataques da Rússia no leste da Ucrânia nos últimos dias exacerbou a necessidade de alimentação, acrescentou. “Estamos fazendo de 500 a 600 refeições em caixas por dia”, disse ele.

    As refeições são simples – salada, batatas e um pouco de carne. Motoristas voluntários os entregam em hospitais para pacientes, militares, famílias e idosos necessitados.

    Fursa às vezes acompanha os motoristas. A equipe deve observar cuidadosamente as minas terrestres escondidas ao longo das estradas. No fim de semana passado, Fursa retornou de áreas próximas a Kiev que foram fortemente bombardeadas.

    “É absolutamente catastrófico. Fui a Bucha e Borodyanka e é horrível”, disse ele. “As pessoas ficaram muito agradecidas por nos ver chegando com comida.” Ele quer continuar ajudando enquanto puder.

    “Sinto que o pior ainda está por vir, mas é muito mais fácil superar o que está acontecendo com nosso país quando estamos fazendo algo para ajudar as pessoas”, disse ele.

    Sapateiro produzindo botas de combate

    A marca ucraniana de calçados Kachorovska fabrica calçados femininos desde 1957. “Uma história especial para nós é que também fizemos um par de sapatos personalizados para Olena Zelenska, esposa de nosso presidente Volodymyr Zelensky”, disse Alina Kachorovska, co-proprietária e CEO da terceira geração da empresa que administra o negócio com seu marido e mãe.

    Em seu portfólio de calçados de couro e têxtil, há um item específico que a empresa com sede em Kiev nunca fez antes – botas de combate.

    Como outras empresas locais, Kachorovska não sabia como o ataque da Rússia afetaria sua empresa familiar e seus 117 funcionários.

    “Todo o nosso mercado está na Ucrânia”, disse ela. A família estava finalmente se preparando para expandir a marca para outros países quando a guerra começou.

    “Tudo parou. Eu não conseguia acreditar que estávamos em guerra”, disse Kachorovska. À medida que mais ucranianos se juntavam às forças armadas, sua mãe viu um pedido no Facebook para botas de combate e outros itens de que os soldados precisavam.

    Isso galvanizou a família para entrar em ação. Kachorovska disse que algumas fábricas uniram forças para reunir suprimentos para as botas.

    “Já tínhamos o couro em nosso armazém”, disse ela. “Usamos todos os suprimentos e fizemos 1.393 botas de combate e as demos de graça para nossos soldados em toda a Ucrânia”, disse ela. A empresa também fez e doou cintos para soldados.

    Manter-se ocupada e manter seus negócios vivos apesar da turbulência é pessoal e profissionalmente importante para Kachorovska.

    “Se eu não continuar trabalhando e ajudando, estarei quebrada”, disse ela. “Preciso ser forte, apoiar meus funcionários e manter uma visão do futuro.”

    Assar pães para tempos de guerra

    Vladyslav Malashchenko abriu a Good Bread from Good People em Kiev em 2017. A padaria emprega trabalhadores com necessidades especiais e oferece treinamento de habilidades.

    “Antes da guerra estávamos indo muito bem”, disse Alijona Martynenko, responsável pelas comunicações da empresa. A padaria vendia cupcakes, biscoitos e tortas para clientes comerciais e individuais.

    “Mas quando a guerra começou não vimos como poderíamos continuar”, disse Martynenko. Em 10 de março, a padaria voltou à vida. Ela disse que voluntários e alguns funcionários se uniram para atender a uma necessidade crescente de assar pão.

    “Passamos de uma padaria que não fazia pão antes para agora fazer muito pão”, disse ela. A empresa produz até 700 pães por dia. Na semana passada, doou mais de 3.000 pães para soldados ucranianos, policiais, pacientes de hospitais, idosos e famílias com crianças que ficaram em Kiev durante a invasão russa.

    “A comunidade tem doado farinha e dinheiro para comprarmos o que precisamos”, disse ela, acrescentando que o cozimento continuará até que os ingredientes acabem.

    Educar sobre segurança

    EdEra, uma plataforma de educação remota online, quer ensinar as pessoas, seja em tempos de paz ou guerra, disse o cofundador e CEO Ilia Filipov.

    Antes da guerra, a startup de Kiev desenvolvia cursos online e livros didáticos para estudantes, professores e profissionais.

    A empresa tinha 42 funcionários e mais de 400.000 clientes na Ucrânia. A guerra interrompeu abruptamente suas operações.

    “Nossos funcionários se mudaram para outras partes da Ucrânia e agora temos cerca de 10 deles de volta”, disse Filipov. “Todo mundo quer voltar e estamos otimistas que isso aconteça.”

    A EdEra também direcionou o conteúdo de sua plataforma para a educação em tempos de guerra, disse Filipov. “Estamos criando informações sobre como administrar primeiros socorros, como encontrar abrigos antiaéreos, como se preparar para a evacuação. Essa educação pode salvar vidas.”

    Ajudando empresas para se manterem vivas

    Alyona Mysko, cofundadora e CEO da startup de tecnologia financeira ucraniana FuelFinance, quer garantir que empresas como TC Pizza e Kachorovska shoes permaneçam viáveis ​​e sejam capazes de realizar o trabalho humanitário essencial que está se tornando cada vez mais crítico na Ucrânia.

    “Estamos fornecendo gratuitamente às pequenas empresas na Ucrânia nossos serviços para ajudá-las”, disse ela.

    A FuelFinance criou um kit de recursos de “primeiros socorros” para empresários ucranianos com informações sobre como se reorganizar e continuar trabalhando durante a guerra. A empresa criou uma plataforma para agregar doações para pequenas empresas que estão reagindo.

    “Também os estamos aconselhando sobre como se mudar temporariamente para fora da Ucrânia para a Polônia e outros lugares para que possam manter seus negócios”, disse Mysko. Ela também quer manter a FuelFinance ativa e crescendo durante a guerra, adicionando mais clientes na Europa e nos Estados Unidos. A invasão da Rússia só fortaleceu a determinação dos ucranianos, disse ela.

    “Na primeira semana da guerra estávamos com medo. Agora os ucranianos se sentem como combatentes”, disse Mysko. “Não há tempo para ter medo.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN