Estúdio de games da Tencent fatura US$ 10 bilhões em 2020, diz fonte

Isso o tornaria o maior desenvolvedor do mundo, afirmam as fontes, o que muitos observadores da indústria já vinham suspeitando

Jarro de moedas
Jarro de moedas Foto: Michael Longmire/Unplash

Por Pei Li e Tony Munroe, da Reuters

Ouvir notícia

O Timi Studios, fabricante dos populares games Honor of Kings e Call of Duty e pertencente à gigante chinesa Tencent, registrou receita de US$ 10 bilhões no ano passado, disseram à Reuters fontes com conhecimento direto do assunto.

Isso o tornaria o maior desenvolvedor do mundo, afirmam as fontes, o que muitos observadores da indústria já vinham suspeitando.

Esse resultado também fornece um parâmetro sólido para as ambições da empresa de ir além dos jogos para dispositivos móveis.

O Timi quer competir diretamente com gigantes globais dos games, desenvolvendo títulos “AAA” de alto orçamento para plataformas como computadores, o PlayStation, da Sony; o Switch, da Nintendo; e o Xbox, da Microsoft.

Em um anúncio de contratação no mês passado, um engenheiro do estúdio afirmou que eles pretendem criar um novo jogo AAA que se pareça com a comunidade virtual do filme ‘Jogador Nº1’, e irá “competir de igual para igual com grandes potências do Japão, Coreia, Europa e EUA”.

A Tencent está construindo sede para seus estúdios no exterior, incluindo uma para o Timi e outra para o Lightspeed & Quantum, ambas em Los Angeles. O objetivo da gigante de tecnologia chinesa é criar conteúdo original de apelo global.

A longo prazo, a companhia pretende obter metade de sua receita de jogos vinda de estúdios localizados fora da China. No quarto trimestre de 2019, eles representavam 23% desse total.

Na semana passada, a Tencent reportou US$ 156,1 bilhões de iuanes (US$ 23,79 bilhões) em receitas gerais de jogos online para 2020, mas não dividiu o valor correspondente a cada um dos seus estúdios. De acordo com as fontes, o Timi representou 40% da receita total de jogos da empresa.

A Tencent não respondeu a um pedido de comentário da Reuters.

Tópicos

Mais Recentes da CNN