Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Etanol/ANP: preço cai em 18 estados e DF na semana; média nacional recua 0,91%

    Preço mínimo registrado na semana para o etanol em um posto foi de R$ 4,199 o litro, em São Paulo

    Carro abastecido a etanol em posto de combustível no Rio de Janeiro (RJ)
    Carro abastecido a etanol em posto de combustível no Rio de Janeiro (RJ) Sergio Moraes/Reuters

    Augusto Decker, do Estadão Conteúdo

    Ouvir notícia

    Os preços médios do etanol hidratado caíram em 18 estados e no Distrito Federal na semana entre 23 e 29 de janeiro, de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas.

    Em outros 7 estados, os preços subiram, enquanto no Amapá não foi possível comparar porque não houve levantamento na semana anterior.

    Nos postos pesquisados pela ANP em todo o país, o preço médio do etanol caiu 0,91% na semana em relação à anterior, de R$ 5,053 para R$ 5,007 o litro.

    Em São Paulo, principal estado produtor, consumidor e com mais postos avaliados, a cotação média do etanol hidratado ficou em R$ 4,789 o litro, queda de 1,26% ante a semana anterior (R$ 4,850).

    O preço mínimo registrado na semana para o etanol em um posto foi de R$ 4,199 o litro, em São Paulo, enquanto o menor preço médio estadual, de R$ 4,776, foi registrado em Mato Grosso. O preço máximo, de R$ 7,500 o litro, foi verificado em um posto do Rio Grande do Sul.

    O maior preço médio estadual também foi o do Rio Grande do Sul, de R$ 6,354.

    Na comparação mensal, o preço médio do biocombustível no País caiu 1,42%. O Estado com maior queda no período foi o Rio Grande do Sul, onde o litro desvalorizou 7,87% no mês.

    Na apuração semanal, a maior queda porcentual de preço, de 2,33%, foi observada em Mato Grosso; e a maior alta, de 4,21%, aconteceu na Bahia.

    Competitividade

    A gasolina foi mais competitiva que o etanol em todos os Estados e no Distrito Federal na semana entre 23 e 29 de janeiro, mostra levantamento da ANP compilado pelo AE-Taxas.

    Os critérios consideram que o etanol de cana ou de milho, por ter menor poder calorífico, tenha um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso.

    Na média dos postos pesquisados no Brasil, o etanol está com paridade de 75,20% ante a gasolina.

    Os Estados com paridade mais próxima dos 70% são Goiás, Mato Grosso e Minas Gerais, em 71,41%, 73,23% e 74,28%, respectivamente  —esses são os únicos abaixo de 75%. São Paulo, principal produtor e consumidor do biocombustível, tem paridade em 75,18%.

    Mais Recentes da CNN