EUA liberam parte das reservas de petróleo contra alta no preço do gás

Departamento de Energia americano vai liberar 50 milhões de barris de petróleo da Reserva Estratégica de Petróleo

Kate SullivanBetsy Kleindo CNN Business*

Ouvir notícia

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou nesta terça-feira (23) a liberação de 50 milhões de barris de petróleo da Reserva Estratégica de Petróleo do país.

O anúncio faz parte de um esforço para reduzir os altos preços do gás e resolver a falta de abastecimento de petróleo em todo o mundo.

O anúncio foi feito em coordenação com outras grandes nações consumidoras de energia, incluindo China, Índia, Japão, República da Coreia e Reino Unido, anunciou a Casa Branca em um informativo.

Até a última sexta-feira, havia 604,5 milhões de barris na Reserva Estratégica de Petróleo, de acordo com o Departamento de Energia dos EUA.

A mudança ocorre no momento em que o governo Biden enfrenta uma pressão crescente para reduzir os preços exorbitantes da bomba, que estão contribuindo para o maior aumento da inflação em décadas.

Entre o total que será liberado, 32 milhões de barris serão trocados “nos próximos meses”, e eventualmente retornarão à Reserva Estratégica de Petróleo “nos próximos anos”, segundo a Casa Branca.

Os 18 milhões restantes “serão parte de uma aceleração nos próximos meses de venda de petróleo que o Congresso havia autorizado anteriormente.”

“Os consumidores americanos estão sentindo o impacto dos preços elevados do gás nas bombas e nas contas de aquecimento doméstico, e as empresas americanas também estão. O fornecimento de petróleo não acompanhou a demanda enquanto a economia global emergiu da pandemia”, comunicou a Casa Branca.

“É por isso que o presidente Biden está usando todas as ferramentas disponíveis para trabalhar para reduzir os preços e resolver a falta de oferta”, completou o comunicado.

Bombas de petróleo nos arredores de Paris, na França.
Importações de petróleo pela China registram nível mais baixo em outubro / REUTERS/Christian Hartmann

A CNN informou anteriormente que Biden esperava anunciar sua decisão de liberar as reservas de petróleo durante um discurso nesta terça-feira, mas que o anúncio ainda dependia de outras nações finalizarem seus acordos.

O presidente dos EUA deve fazer mais comentários nesta tarde “sobre a economia e a redução dos preços para o povo americano”, de acordo com o cronograma divulgado pela Casa Branca.

O democrata alertou nas últimas semanas que usar a reserva não seria muito eficiente para aliviar os problemas atuais, mas alguns legisladores do seu partido argumentaram que isso poderia fornecer um alívio temporário na bomba.

Apesar de terem sido informados que o impacto pode ser insignificante, a opção de liberar as reservas de petróleo permaneceu na mesa.

A média do preço nacional do gás americano é de US$ 3,403, o que é significativamente mais alto do que a média no mesmo período do ano passado, quando muitas pessoas não estavam dirigindo ou viajando devido à pandemia de Covid-19.

Efeitos

Ainda não está claro o quanto o esforço da Casa Branca afetaria imediatamente os preços.

A mudança pode, em vez disso, agir em grande parte como um sinal para as nações da Opep e para a Rússia de que os EUA levam a sério a tomada de medidas para reduzir os preços, depois que essas nações relutaram em aumentar a produção de petróleo para reduzir os valores.

Autoridades americanas alertaram os sauditas durante semanas que os EUA encontrariam soluções alternativas se o preço do petróleo bruto ultrapassasse US$ 85 o barril.

Mas a Arábia Saudita se manteve firme em recusar a aumentar a produção e incluiu — erroneamente, na opinião das autoridades americanas — a possibilidade de os EUA chegarem a um acordo nuclear com o Irã.

A preocupação dos sauditas é que as sanções ao Irã sejam revogadas, permitindo ao país aumentar sua produção de petróleo e competir com a OPEP.

Diante dessa relutância, o governo Biden viu a coordenação com as outras nações como uma tentativa de minar o controle do monopólio sobre o mercado.

“Pensamos que podemos fazer isso sozinhos ou internacionalmente — e o último seria muito mais eficaz, especialmente quando se trata de enviar uma mensagem aos sauditas”, disse um funcionário americano.

Essa mudança provavelmente não terá um efeito imediato sobre os preços do gás para os consumidores, mas é outro exemplo de que Biden está tentando mostrar que trabalha para reduzir os valores.

O presidente dos EUA também tomou outras medidas. Na semana passada, ele pediu à Federal Trade Commission que investigasse “imediatamente” se a atividade ilegal de empresas de petróleo e gás estariam elevando os preços do gás.

As descobertas da FTC também podem ajudar no longo prazo se encontrarem irregularidades. No entanto, o principal grupo de defesa da indústria do petróleo considerou essa medida uma “distração”.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original)

Mais Recentes da CNN