Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 para 2022, sem aumento real

Apesar de não reconhecer mudança na política do mínimo, a equipe econômica já vinha reajustado o piso apenas com a variação da inflação mesmo antes da pandemia

Ligia Tuon e Bia Gurgel, do CNN Brasil Business, em São Paulo e Brasília

Ouvir notícia

A proposta de salário mínimo feita pelo governo federal para 2022 é de R$ 1.147. O valor consta no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) do ano que vem, anunciado pelo Ministério da Economia nesta quinta-feira (15), último dia do prazo para o envio ao Congresso Federal.

Os R$ 1.147 representam um aumento de 4,27% em relação aos atuais R$ 1.100. A variação é semelhante à do INPC, índice usado para o reajuste do piso salarial. Isso significa que o salário minimo deverá ficar sem aumento real (acima da inflação) pelo terceiro ano seguido.

A eqipe econômica disse em reunião coletiva nesta tarde que, para 2023, o salário mínimo previsto é de R$ 1.188 e, para 2024, R$ 1.229.

 

“Aqui estão colocadas previsões pra o salário mínimo, que ainda podem ser alterados, caso o governo federal tenha a intenção. A massa salarial também tem reflexos e temos patamares superiores a 2021”, disse o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues. O secretário acrescentou que as premissas colocadas para o PLDO são a manutenção da austeridade fiscal. 

Dinheiro
Notas de dinheiro
Foto: USP Imagens

 

Política de reajuste

Apesar de não reconhecer que mudou a política do salário mínimo, a equipe econômica já vinha reajustado o piso apenas com a variação da inflação mesmo antes da pandemia, com o argumento de que precisa preservar o ajuste fiscal.

Tradicionalmente, os reajustes do mínimo são calculados a partir do aumento do INPC somado da variação do Prduto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes. Criada pelo governo Lula, essa regra virou lei em 2012, durante o governo Dilma, mas expirou em 2019.

Durante esse período, o salário mínimo não teve aumento acima da inflação em 2017 e 2018, já que o cálculo cosiderou os anos de 2015 e 2016, respectivamente, quando o país estava em recessão. 

 

Mais Recentes da CNN