Grupo com US$ 41 tri em ativos quer ações rápidas contra mudanças climáticas

Mais de 450 grandes investidores assinaram uma carta pedindo aos governos que estabeleçam metas mais ambiciosas de redução de emissões

Foto: Osama Faisal/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

Matt Egan, do CNN Business*

Ouvir notícia

Os investidores que administram mais de US$ 41 trilhões em ativos estão convocando os líderes mundiais a intensificar imediatamente suas medidas climáticas se não quiserem perder uma onda de investimentos em energia limpa.

Mais de 450 grandes investidores assinaram uma carta que foi divulgada na quinta-feira (10) pedindo aos governos que estabeleçam metas mais ambiciosas de redução de emissões, detalhem roteiros “claros” para descarbonizar as indústrias poluidoras e implementem requisitos obrigatórios de divulgação de riscos climáticos.

A carta, assinada por Fidelity, State Street e outras firmas de gestão de ativos influentes, marca o apelo mais forte já feito por investidores, pedindo aos governos em todo o mundo que tomem medidas mais ousadas para combater a crise climática.

E acontece no momento em que os líderes das nações do G7 se reúnem no Reino Unido para discutir a pandemia da Covid-19, as mudanças climáticas e outras questões globais importantes.

“Essas lacunas, na ambição climática, ação política e divulgação de riscos, precisam ser resolvidas com urgência”, escreveram os signatários na carta. O aviso não tão sutil é que os países que se arrastam correm o risco de ser deixados para trás enquanto os investidores enviam seu dinheiro para outros lugares.

“Aqueles que estabeleceram metas ambiciosas alinhadas com a obtenção de emissões líquidas zero e implementaram políticas climáticas nacionais consistentes no curto e médio prazo, se tornarão destinos de investimento cada vez mais atraentes”, diz a carta. “Os países que não o fizerem se verão em desvantagem competitiva.”

O Controlador do Estado de Nova York, Thomas DiNapoli, que assinou a carta, disse ao CNN Business que os governos de todo o mundo precisam adotar políticas para proteger o planeta.

“Estamos nisso juntos”, disse DiNapoli por e-mail. “Os investidores não podem lidar com a emergência climática por conta própria e os governos não podem alcançar soluções climáticas sem investidores”.

Metas mais ousadas necessárias

A coalizão de investidores pediu aos líderes mundiais que “fortaleçam significativamente” suas contribuições nacionalmente determinadas (NDCs) para combater as mudanças climáticas em 2030 e “garantir uma transição planejada para emissões líquidas zero” até 2050 ou antes.

Em abril, o presidente Joe Biden anunciou que os Estados Unidos terão como objetivo reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 50% a 52% abaixo dos níveis de 2005 até 2030.

No entanto, o grupo de investidores, que também inclui a Allianz Global Investors e o California Public Employees Retirement System (CalPERS), alertou que “todos os governos” devem aumentar essas metas para limitar o avanço da temperatura global.

“Nossa capacidade de alocar adequadamente os trilhões de dólares necessários para apoiar a transição líquido-zero é limitada pela lacuna de ambição entre os compromissos atuais dos governos”, afirma a carta, “e as reduções de emissões necessárias para limitar o aumento da temperatura média global em 1,5 grau Celsius.”

Os signatários acrescentaram: “Se não enfrentarmos este desafio e mudarmos o curso imediatamente, o mundo pode aquecer mais de 3 graus Celsius neste século.”

DiNapoli disse que as metas do NDC estabelecidas por Biden são “sólidas, mas precisamos de mais informações sobre como vamos alcançá-las”. “Estamos procurando por investimentos tangíveis no projeto de lei de infraestrutura e outras propostas que fornecerão um roteiro”, disse ele.

Divulgações climáticas obrigatórias à frente?

Em uma carta separada de 180 investidores com US$ 2,7 trilhões em ativos, dezenas de organizações sem fins lucrativos e 155 empresas, incluindo Apple, Uber e Salesforce, apelaram à Securities and Exchange Commission para exigir divulgações climáticas.

O grupo argumentou que as empresas e os investidores precisam de acesso a informações consistentes, comparáveis e confiáveis para avaliar os riscos que representam para a economia e para empresas específicas.

“Embora haja um custo para o cumprimento das regras de divulgação climática da SEC”, diz a carta, “é muito menos custoso para as empresas e seus investidores do que ignorar o risco.”

Gary Gensler, presidente da Securities and Exchange Commission, disse recentemente ao Congresso que planeja introduzir novas regras sobre as divulgações climáticas corporativas ainda este ano.

No mês passado, a Câmara de Comércio dos Estados Unidos se opôs a um projeto de lei que exigiria que a SEC estabelecesse métricas de divulgação de riscos relacionados ao clima e que as empresas públicas divulgassem seus riscos financeiros e de negócios vinculados às mudanças climáticas.

“As divulgações devem ser usadas para proteger os investidores e não como um meio para atingir objetivos políticos fora do escopo das leis de valores mobiliários federais”, escreveu a Câmara em uma carta.

‘Nossa casa está pegando fogo’

O debate sobre como responder à crise climática surge em meio à crescente conscientização do público, líderes empresariais e reguladores sobre as consequências das mudanças climáticas.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse na semana passada que “não há dúvida” que a crise climática representa “desafios profundos para a economia global e, certamente, para o sistema financeiro”.

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, exortou seus colegas banqueiros centrais a reconhecer como a crise climática pode causar “instabilidade financeira” e tornar difícil para os bancos centrais administrar a economia.

“Nossa casa está pegando fogo”, disse Lagarde na Conferência Green Swan.

Tobias Adrian, diretor do departamento de mercado monetário e de capitais do FMI, disse ao CNN Business que a crise climática pode “absolutamente” desencadear uma crise financeira.

Mindy Lubber, CEO da Ceres, organização sem fins lucrativos de sustentabilidade que ajudou a organizar a carta, disse que os investidores estão cientes dos riscos substanciais em se fazer uma política climática certa.

“Os investidores sabem que os impactos da crise climática são riscos financeiros sistêmicos”, disse Lubber em um comunicado, “e vão piorar se não forem controlados.”

*Texto traduzido, clique aqui para ler o original

Mais Recentes da CNN