Ícone do Reino Unido é apresentado como mulher negra em moedas comemorativas

Moedas comemorativas trazem a personagem Britannia com traços de uma mulher negra na edição de 2021

Foto: Reprodução

Leah Dolan, CNN

Ouvir notícia

 

Nesta semana, a Royal Mint, responsável por fabricar moedas no Reino Unido, apresentou um novo desenho para a personagem que estampa as moedas comemorativas do país. Pela primeira vez, a Britannia, um ícone nacional, será representada como uma mulher negra.  

Britannia foi o nome latino que o Reino Unido recebeu do Império Romano, em 43 d.C., depois que as ilhas foram invadidas. Posteriormente, os britânicos personificaram o nome e criaram uma guerreira com armas que, desde 1672, estampa as moedas do conjunto de ilhas.

 

Esta versão da Britannia com traços negros faz parte da coleção limitada de moedas para 2021, renovada anualmente. A edição foi desenhada pelo artista irlandês P. J. Lynch que se mostrou muito feliz em encabeçar o projeto. “Criar um novo design original para um ícone como Britannia é um sonho para qualquer artista”, disse Lynch à CNN americana.

Britannia em moeda comemorativa do Reino Unido
Britannia em moeda comemorativa do Reino Unido
Foto: The Royal Mint / Reprodução

 

A diretora de moedas comemorativas da Royal Mint afirmou que o lançamento faz parte de uma evolução da sociedade. “Britannia é um símbolo duradouro do povo e, à medida que a nação evolui, é certo que sua imagem também evolua”, comentou. 

É tradição no Reino Unido a criação de moedas comemorativas para figuras artísticas ou marcos históricos. Em 2011, na ocasião das Olimpíadas de Londres, o país criou uma coleção para celebrar os jogos. Famosos importantes como Elton John, Jane Austen e Shakespeare também já estamparam as moedas britânicas. 

A Royal Mind afirma que essa edição de 2021 se baseia no compromisso da casa em refletir uma sociedade mais diversa. Cada unidade da moeda custa a partir de £62 (cerca de R$ 470).

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original) 

Tópicos

Mais Recentes da CNN