Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Inflação está tão alta nos EUA que banco central pode usar juros de 1994; entenda

    Normalmente, o Fed aumenta as taxas gradualmente, movendo-se em incrementos de 0,25 ponto. Mas com os preços ao consumidor subindo no ritmo mais rápido em 40 anos, estes não são tempos normais

    O presidente do Fed, Jerome Powell, sinalizou esta semana que as autoridades estão preparadas para intensificar sua luta tardia contra a inflação
    O presidente do Fed, Jerome Powell, sinalizou esta semana que as autoridades estão preparadas para intensificar sua luta tardia contra a inflação REUTERS/Joshua Roberts/File Photo

    Matt Egando CNN Business

    Ouvir notícia

    A inflação está tão alta que os bancos de Wall Street estão caindo uns sobre os outros para prever os movimentos dramáticos que o banco central norte-americano, Federal Reserve (Fed- o banco central dos Estados Unidos), terá que fazer para esfriar os preços.

    O Goldman Sachs levantou as sobrancelhas no início desta semana ao prever que o Fed aumentará as taxas de juros em meio ponto percentual em cada uma das próximas duas reuniões.

    Morgan Stanley e Jefferies rapidamente endossaram essa visão, embora o Fed não tenha feito um aumento de juros desse tamanho em uma única reunião desde 2000.

    Agora, o Citigroup está aumentando a aposta. Economistas do Citi disseram, nesta sexta-feira (25), que esperam que o Fed aumente as taxas de juros em meio ponto percentual durante cada uma das próximas quatro reuniões.

    E o Citi deixou a porta aberta para medidas ainda mais agressivas, como grandes aumentos de juros em todas as reuniões restantes deste ano.

    A chamada agressiva ressalta o nível de preocupação com as perspectivas de inflação, que escureceu consideravelmente nas últimas semanas por causa da invasão da Ucrânia pela Rússia e o consequente aumento nos preços de alimentos, energia e outras commodities.

    “Com a inflação provavelmente muito forte em março e permanecendo elevada em abril, achamos que será difícil para as autoridades do Fed argumentar por que não aumentariam 50 [pontos básicos]”, escreveram economistas do Citi, referindo-se aos pontos base.

    O Citi alertou que, se a inflação “acelerar inesperadamente” ou as expectativas de inflação de longo prazo aumentarem “rapidamente”, é possível que o Fed aumente as taxas em mais de meio ponto percentual em uma reunião.

    Colapso do mercado de títulos de 1994

    Normalmente, o Fed aumenta as taxas gradualmente, movendo-se em incrementos de um quarto de ponto. Mas com os preços ao consumidor subindo no ritmo mais rápido em 40 anos, estes não são tempos normais.

    Tenha em mente que apenas um ano atrás, as autoridades do Fed indicaram que não viram aumentos nas taxas de juros até pelo menos 2024. Agora, os investidores estão se preparando para mais seis aumentos de juros apenas este ano.

    A última vez que o Fed elevou as taxas de juros em meio ponto percentual ou mais em quatro reuniões consecutivas foi no final de 1994 e início de 1995.

    Essa série de aumentos agressivos de juros ajudou a desencadear o caos nos mercados financeiros, com mercados de títulos derretendo e fundos de hedge entrando em colapso. Meses depois, o Fed foi forçado a reverter o curso e cortar as taxas de juros.

    ‘Existe uma necessidade óbvia’

    O presidente do Fed, Jerome Powell, sinalizou esta semana que as autoridades estão preparadas para intensificar sua luta tardia contra a inflação.

    “Há uma necessidade óbvia de agir rapidamente para retornar a postura da política monetária a um nível mais neutro”, disse Powell em um evento organizado pela Associação Nacional de Economia Empresarial.

    Isso é o que o Fed fala para o banco central ir do apoio do pedal ao metal para a economia para pisar no freio. Isso faz sentido, uma vez que a inflação é alta e o desemprego é baixo.

    Mas quanto mais o Fed pisar no freio, maior o risco de causar um acidente que poderia destruir os mercados financeiros, a economia real ou ambos.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN