Ibovespa sobe puxado por Vale e Wall Street; dólar cai

Dow Jones e S&P 500 fecharam em máximas recordes nesta segunda-feira com temporada de balanços no radar

Foto: CNN

Matheus Prado e Leonardo Guimarães,

do CNN Brasil Business, em São Paulo*

Ouvir notícia

O dólar fechou em queda ante o real nesta segunda-feira (26), em uma sessão de fraqueza da moeda norte-americana em todo o mundo. A divisa caiu 0,68%, negociada a R$ 5,1748. 

Na B3, o Ibovespa terminou o pregão no azul com a força das ações ligadas ao minério de ferro. O índice avançou 0,76%, para 126.003 pontos. 

No início da semana, investidores dividiam suas atenções localmente entre crise hídrica e reforma tributária, e uma greve de caminhoneiros desidratada. A temporada de balanços, aqui e nos EUA, também é destaque.

O Ibovespa foi puxado por ações ligadas ao minério de ferro, que ficou mais caro hoje. Vale (VALE3) avançou 2,17%, CSN (CSNA3) subiu 3,55%. Usiminas (USIM5) fechou em alta de 3,56% e liderou os ganhos da Bolsa. 

No Boletim Focus, a previsão do mercado financeiro para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) subiu para 6,56%, ante 6,31% na semana anterior. Essa foi a 16ª semana consecutiva em que os analistas elevaram a expectativa para inflação. 

Acompanhando o movimento da pressão inflacionária, a estimativa para a Selic, taxa básica de juros, avançou para 7% ao ano até o fim de 2021. A taxa é a principal ferramenta do Banco Central para o controle da inflação.  

Ao mesmo tempo, as perspectivas do mercado financeiro para a atividade econômica deste ano têm melhorado. A expectativa é que o PIB (Produto Interno Bruto) de 2021 cresça 5,29%. Se confirmado, esse desempenho positivo do PIB de 2021 seria suficiente para recuperar a queda de 4,1% registrada em 2020.

A semana terá a reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos e publicação do lucro industrial chinês.

O aumento do cerco regulatório da China também impacta o ambiente de negócios. Após mirar em empresas do setor de tecnologia, agora Pequim restringiu regras para companhias privadas de educação.

Lá fora

O índice S&P 500 avançou e cravou uma nova máxima recorde de fechamento nesta segunda-feira, impulsionado pelo otimismo em relação a resultados de empresas em semana marcada pelos balanços de pesos-pesados da tecnologia, embora a cautela antes de uma reunião de política monetária do Federal Reserve tenha limitado os ganhos.

O Dow Jones fechou em alta de 0,24%, a 35.144 pontos. O S&P 500 também subiu 0,24%, a 4.422 pontos, e o Nasdaq teve variação positiva de 0,03%, a 14.840 pontos.

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em queda. Na China continental, o índice Xangai Composto recuou 2,3%, a 3.467,44 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto também caiu 2,3%, a 2.411,81 pontos. Em Hong Kong, o Hang Seng teve baixa de 4,1%, a 26.192,32 pontos.

“Apesar das novas máximas em Wall Street na sexta-feira, os mercados asiáticos estavam mais fracos nesta segunda-feira, liderados por uma queda de mais de 3% na China, já que movimentos regulatórios preocupam os investidores e as negociações comerciais EUA-China começam de forma amarga”, diz o analista Chris Scicluna, da Daiwa Capital Markets.

Durante o fim de semana, Pequim divulgou regras que forçariam os serviços de tutoria que ensinam disciplinas escolares aos alunos durante os anos obrigatórios a serem administrados como operações sem fins lucrativos. Além disso, as autoridades chinesas baniram esses serviços de levantamento de capital e propriedade estrangeira e proibiram aulas nos finais de semana e feriados públicos ou escolares.

“Investidores magoados e abalados agora devem ponderar quais outras áreas poderiam se tornar o próximo alvo de controle estatal expandido”, afirma o banco de investimento japonês Nomura.

Em outras partes da Ásia, o Kospi registrou queda de 0,9% em Seul, a 3.224,95 pontos, pressionado para baixo por ações dos setores de tecnologia e construção.

Os investidores acompanham também uma visita da vice-secretária de Estado americana, Wendy Sherman, à China. No começo das conversas, Pequim culpou Washington por um “impasse” nas relações bilaterais.

O Nikkei, por outro lado, subiu 1,0% no Japão, a 27.833,29 pontos. A bolsa japonesa reabriu hoje após ter ficado dois pregões fechada devido a um feriado no país. O índice acionário, portanto, registrou ganhos na esteira dos recordes em Nova York no fechamento de sexta-feira, 23.

Divulgado na noite de ontem, o índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) preliminar composto do Japão, que reúne indicadores de indústria e serviços, caiu de 48,9 pontos em junho para 47,7 em julho.

Na Oceania, a bolsa da Austrália fechou estável. O impulso de ações de mineração compensou perdas em outros setores. Com isso, o S&P/ASX 200 encerrou a sessão em Sydney aos 7.394,3 pontos. 

*Com informações de Reuters e Estadão Conteúdo

Mais Recentes da CNN