Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Minério de ferro cai com preocupações de demanda da China

    Contrato mais negociado na bolsa de Dalian encerrou negociações com queda de 5,2%, a 688,50 iuanes (US$ 101,96) a tonelada

    Contrato do minério de ferro para setembro na Bolsa de Singapura caiu 2,5%, para US$ 107,20 a tonelada, em baixa pela quinta sessão
    Contrato do minério de ferro para setembro na Bolsa de Singapura caiu 2,5%, para US$ 107,20 a tonelada, em baixa pela quinta sessão 27/10/2019REUTERS/Stringer

    Por Enrico Dela Cruz, da Reuters

    Ouvir notícia

    Os contratos futuros de minério de ferro nas bolsas de Dalian e Singapura caíram para mínimas de uma semana nesta quinta-feira (4), pressionados por preocupações com uma recuperação insustentável da demanda na China, maior produtora mundial de aço, e perspectivas de aumento da oferta.

    Na Dalian Commodity Exchange da China, o contrato mais negociado do ingrediente siderúrgico em janeiro encerrou as negociações com queda de 5,2%, a 688,50 iuanes (US$ 101,96) a tonelada, depois de atingir seu nível mais fraco desde 28 de julho, a 688 iuanes.

    O contrato do minério de ferro para setembro na Bolsa de Singapura caiu 2,5%, para US$ 107,20 a tonelada, em baixa pela quinta sessão.

    O conturbado setor imobiliário da China, as restrições da Covid-19, as metas de descarbonização que envolvem cortes na produção de aço e o aumento das tensões sino-americanas sobre Taiwan pesaram no sentimento, disseram analistas.

    “O minério de ferro carece de impulso ascendente contínuo”, disseram em nota analistas da Zhongzhou Futures, apesar da recuperação das margens do aço na China, que alimentaram um rali recente.

    Embora a lucratividade da indústria siderúrgica tenha se tornado positiva, eles avaliaram que a força e a sustentabilidade da retomada da produção das siderúrgicas ainda precisam ser vistas.

    Como a demanda por minério de ferro deve permanecer moderada nos próximos meses em meio a embarques constantes dos principais fornecedores Austrália e Brasil, os estoques na China podem continuar aumentando, disseram analistas.

    Mais Recentes da CNN