Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Morgan Stanley eleva projeção para a economia e vê Selic em pico de 8% em 2022

    Economistas citaram expectativas de reabertura significativa no segundo semestre

    Fachada do Banco Morgan Stanley
    Fachada do Banco Morgan Stanley Foto: REUTERS/Lucas Jackson/Foto de arquivo

    José de Castro,

    da Reuters

    Ouvir notícia

    O Morgan Stanley elevou as projeções para o desempenho da economia brasileira em 2021 e 2022, citando expectativas de uma reabertura significativa dos negócios no segundo semestre, o que também deve pressionar mais as dinâmicas atuais nas cadeias de suprimentos e forçar a inflação para cima e, consequentemente, os juros.

    Os economistas André Loes e Thiago Machado passaram a ver aumento de 5,5% do PIB (Produto Interno Bruto) neste ano, de 4,2% antes.

    “Esperamos que o impulso do segundo semestre se estenda para 2022, com o processo eleitoral tendo impacto limitado sobre o crescimento, que agora projetamos em 2,5% (de 2,7% anteriormente; consenso em 2,1%), mesmo que possa gerar mais volatilidade nos preços de mercado”, disseram Loes e Machado em relatório nesta sexta-feira (6).

    A normalização mais rápida do chamado hiato do produto (diferença entre crescimento potencial e efetivo) vai reforçar a tendência recente na inflação de pressões de oferta começarem a se espraiar para núcleos dos índices de preços e para a inflação de serviços de forma mais proeminente.

    Com isso, eles elevaram a estimativa para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) em 2021 a 6,9%, de 6,2%.

    “Para o próximo ano, estamos mantendo nossa projeção de inflação em 4,0%, já que o Banco Central deve levar os juros acima dos níveis neutros, provavelmente compensando crescentes pressões inflacionárias nos serviços e em itens dos núcleos de inflação”, afirmaram Loes e Machado.

    Nesse contexto e com um BC “claramente ‘hawkish’ (duro com a inflação)”, o Morgan Stanley jogou para cima também os prognósticos para a taxa Selic. Agora a previsão é de que o juro feche 2021 em 7,50% (antes a projeção era de 6,50%), com um aperto final no primeiro encontro do Copom de 2022 que empurrará a taxa para o pico do ciclo de 8,00%.

    “A desaceleração gradual da inflação deve permitir que a autoridade monetária corte a taxa básica de juros em 50 pontos-base na última reunião de 2022, de volta a 7,50%”, finalizaram os economistas do Morgan Stanley.

    A Selic foi elevada nesta semana para 5,25%, depois de o Banco Central acelerar o ritmo de alta para 1 ponto percentual citando maiores pressões inflacionárias.

    Mais Recentes da CNN