ONS: Em maio, maioria dos reservatórios terá menos chuvas do que média histórica

Na contramão, Subsistema Sul deve registrar chuva acima da média e alcançar 84,6% de armazenamento em seus reservatórios

Linha de transmissão de energia: Ao longo dos últimos 12 meses, a carga do Sistema Interligado Nacional (SIN) cresceu 3,3%, em relação ao período imediatamente anterior
Linha de transmissão de energia: Ao longo dos últimos 12 meses, a carga do Sistema Interligado Nacional (SIN) cresceu 3,3%, em relação ao período imediatamente anterior 13/03/2019REUTERS/Amr Abdallah Dalsh

Beatriz Puenteda CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

A previsão mensal para maio indica que as chuvas na região das usinas hidrelétricas terão níveis abaixo da média histórica nos subsistemas Sudeste/Centro Oeste, Nordeste e Norte. Apenas o Sul do país deve ter um resultado positivo no mês, com previsão de afluência de 147% da média histórica. A projeção é do boletim do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), divulgado nesta sexta-feira (29).

Enquanto o Sul deve superar a média histórica, os subsistemas das regiões Norte e Sudeste/Centro-Oeste terão afluência de 98% e 69%, respectivamente. O pior resultado será no Nordeste do país, com apenas 49%.

A projeção do Operador é que, no fim de maio, os subsistemas apresentem bom armazenamento. A previsão é de que o subsistema Sul alcance 84,6% da capacidade máxima. O resultado representa uma recuperação de 198,62% em relação aos últimos três meses, quando foi registrado 28,33%.

O Norte e o Nordeste terão as melhores taxas de armazenamento, com 99,6% e 94%, respectivamente. No subsistema Sudeste/Centro-Oeste a taxa será de 69%.

O boletim destaca ainda que a carga de energia do Sistema Interligado Nacional (SIN), em comparação a maio do ano passado, terá alta de 1,8%, com montante de 68.815 MW médios. Todas as regiões apresentam alta, exceto o Norte, que permanece com a variação negativa de 2,5%. Segundo o boletim, isso se deve ao fato de que a confiança da indústria voltou a subir em abril, após oito meses em queda.

Mais Recentes da CNN