Opep fala em limitar produção de petróleo e preços tocam máxima em meses

A Organização e seus aliados pretendem aumentar gradualmente a produção nos próximos meses, com o retorno de 2 milhões de barris por dia

Barris de petróleo
Barris de petróleo Foto: Instagram/ Reprodução

Agência Estado e Reuters

Ouvir notícia

Os preços do petróleo avançavam para máximas em meses nesta segunda-feira, em meio a expectativas de que a Opep e aliados possam limitar a produção aos níveis atuais em fevereiro, além de esperanças de que vacinas possam conter o coronavíurs e levar a uma forte recuperação econômica neste ano.

O petróleo Brent subia 0,76 dólar, ou 1,47%, a US$ 52,56 por barril, às 8:11 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos avançava 0,47 dólar, ou 0,97%, a US$ 48,99 por barril.

Leia também:
Kalunga, Tok&Stok, Big: lista de empresas que querem entrar na B3 só aumenta
Perspectivas 2021: O dólar pode voltar para a casa dos R$ 4? Depende do governo

A alta nos preços estava em liha com desempenho positivo nos mercados financeiros, com o Brent tocando o maior nível desde março de 2020 e o WTI atingindo o maior valor desde fevereiro de 2020.

“O movimento dos preços hoje sugere que o mercado está assumindo que a Opep+ vai manter o nível de cortes inalterado no próximo mês”, disse o estrategista de commodities da ING, Warren Patterson.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, conhecidos como Opep+, se reúnem nesta segunda-feira.

A maior parte dos especialistas na Opep+ expressou oposição a um aumento de oferta de petróleo a partir de fevereiro durante uma reunião no domingo, disseram três fontes â Reuters nesta segunda-feira.

Em dezembro, a Opep+ decidiu aumentar a produçaõ em 0,5 milhão de barris por dia (bpd) a partir de janeiro, como parte de um aumento gradual de 2 milhões de bpd neste ano, mas alguns membros do grupo questionaram a necessidade de um novo aumento agora devido à rápida disseminação do coronavírus.

“O começo do novo ano está trazendo desagios para o grupo da Opep+, uma vez que o balanço de riscos para a recuperação da demanda por petróleo mudou”, disse Harry Tchilinguirian, analista do BNP Paribas.

“O grupo de produtores Opep+ pode ter que rever sua agenda e adiar um novo ajuste nos cortes voluntários de oferta devido às últimas novidades sobre a Covid”, acrescentou ele.

Aumento na produção

Diante de uma perspectiva de melhora nas economias globais em 2021, a Opep e seus aliados, liderados pela Rússia, pretendem aumentar gradualmente a produção de petróleo nos próximos meses, com o retorno de 2 milhões de barris por dia (b/d).

A informação foi dada neste domingo, 3, pelo secretário-geral da Opep, Mohammad Sanusi Barkindo, durante reunião de comitê técnico. Hoje, representantes dos países produtores se reúnem para decidir as políticas de produção para o mês de fevereiro.

Por meio de videoconferência, Barkindo afirmou que os países participantes da chamada Opep+ estão prontos para ajustar esses níveis em função das condições e desenvolvimento do mercado. “Estamos testemunhando os estágios iniciais da vacinação da covid-19, e o progresso até agora injetou otimismo na economia.

Esses desenvolvimentos promissores, em paralelo com a liderança de mercado da declaração de cooperação durante a crise, contribuíram para uma perspectiva mais saudável do mercado de petróleo para 2021″, afirmou ele.

Os países cortaram sua produção ao longo de 2020 como reflexo da menor demanda por combustíveis. Agora, Barkindo disse que os analistas da Opep+ preveem que a demanda por petróleo bruto deverá chegar a 95,9 milhões de barris/dia este ano, o que representará uma elevação de 5,9 milhões de barris. Já a estimativa de crescimento econômico mundial para o ano é de 4,4%.

O secretário-geral da Opep também destacou que continua vendo um ímpeto ascendente por petróleo na Ásia, que continua em curso para um crescimento positivo, com uma previsão de recuperação ampla da China de 6,9%.

Tópicos

Mais Recentes da CNN