Oracle tem resultado acima do esperado com demanda por computação em nuvem

Ações da empresa, cuja receita no quarto trimestre fiscal saltou 5%, subiram cerca de 12% nas negociações pós mercado na véspera

Oracle disse que espera um crescimento substancial da receita dos negócios de computação em nuvem, apesar do aumento da inflação e do dólar mais forte
Oracle disse que espera um crescimento substancial da receita dos negócios de computação em nuvem, apesar do aumento da inflação e do dólar mais forte REUTERS/Mike Blake

da Reuters

Ouvir notícia

A Oracle superou as estimativas de Wall Street para lucro e receita trimestrais, impulsionada por demanda por produtos de computação em nuvem.

As ações da empresa, cuja receita no quarto trimestre fiscal saltou 5%, subiram cerca de 12% nas negociações pós mercado na véspera.

“Acreditamos que esse crescimento de receita indica que nosso negócio de infraestrutura agora entrou em uma fase de hipercrescimento”, disse a presidente-executiva da Oracle, Safra Catz, em comunicado.

A Oracle disse que espera um crescimento substancial da receita dos negócios de computação em nuvem, apesar do aumento da inflação e do dólar mais forte.

A empresa alertou para um impacto de US$ 100 milhões por trimestre no ano fiscal de 2023 como resultado da suspensão de serviços na Rússia.

No entanto, espera um crescimento de receita no primeiro trimestre fiscal entre 17% e 18%, impulsionado pela aquisição da empresa de tecnologia da informação voltada à área de saúde Cerner, por US$ 28 bilhões.

A empresa espera lucro por ação ajustado no primeiro trimestre entre US$ 1,04 e US$ 1,08 em comparação com a estimativa média dos analistas de US$ 1,13.

A receita do quarto trimestre fiscal encerrado em 31 de maio cresceu para US$ 11,84 bilhões, acima da estimativa média dos analistas de US$ 11,66 bilhões, segundo dados da Refinitiv.

Excluindo eventos não recorrentes, a empresa teve lucro de US$ 1,54 por ação, superando as estimativas que apontava para US$ 1,37 por papel, em média.

Mais Recentes da CNN