Parlamento europeu não aprova acordo UE-Mercosul; Mourão cita ruído na decisão

Parlamento fala que o acordo não pode ser ratificado na sua forma atual e que está "extremamente preocupado com a política ambiental de Bolsonaro"

Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que há “ruído” na decisão do Parlamento Europeu de rejeitar simbolicamente o acordo entre a União Europeia e o Mercosul, com a justificativa de preocupações ambientais. Mourão disse que um trabalho diplomático deverá ser feito a partir de agora para tratar do assunto. O vice destacou que se trata de uma “questão de diplomacia” e lembrou que o acordo demorou 20 anos para ser feito.

“Tem muito ruído nisso aí. Tudo faz parte do trabalho diplomático que tem que ser feito. Vamos com calma”, disse. Na visão do vice-presidente, a discussão do acordo de livre comércio envolve “muitos interesses”, o que dificulta seu avanço.

Leia também:
Mourão: Amazônia é ‘desculpa pobre da Alemanha’ para vetar acordo com Mercosul
Merkel põe em xeque acordo da UE com Mercosul por causa de desmatamento

“O lobby dos agricultores europeus é muito grande. Também tem a questão dos partidos verdes na Europa que são muito fortes. Tem países que estão em processo eleitoral. Países que estão vivendo crises internas ali. As pressões são enormes. Temos que ir manobrando pouco a pouco”, declarou.

O texto aprovado pela maioria dos eurodeputados foi um relatório sobre a aplicação da política comercial europeia e que incluiu uma emenda sobre o acordo de livre comércio com o Mercosul. No relatório, é dito que “acordo UE-Mercosul não pode ser ratificado na sua forma atual” e que o Parlamento está “extremamente preocupado com a política ambiental de Jair Bolsonaro, em particular no combate ao aquecimento global e à proteção à biodiversidade”.

Mourão opinou que a decisão dos parlamentares europeus é possível de ser revertida e que a viagem de embaixadores para a Amazônia pode contribuir com isso. “Lógico, tudo é reversível. Só tem duas certezas na vida: a morte e pagar imposto.” A visita com os embaixadores, segundo Mourão, está prevista para novembro mas vai depender da situação da pandemia da covid-19.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN