Petróleo fecha em alta, com recuo do dólar e mercado de energia no radar

Commodity foi apoiada nesta semana por um mercado de energia global "apertado", com problemas de falta de carvão na Ásia, segundo consultoria

Dólar recuou ante outras moedas fortes
Dólar recuou ante outras moedas fortes REUTERS/Nick Oxford

Estadão Conteúdo

Gabriel Bueno da Costa, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

Os contratos futuros de petróleo fecharam com ganhos nesta sexta-feira (8). A commodity já subia no início do dia, tendo sido apoiada pelo recuo do dólar. Investidores também monitoraram o relatório mensal de empregos (payroll), que mostrou geração de vagas abaixo da expectativa em setembro.

O contrato do WTI para novembro fechou em alta de 1,34% (US$ 1,05), em US$ 79,35 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para dezembro avançou 0,54% (US$ 0,44), a US$ 82,39 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE). Na comparação semanal, o WTI subiu 4,57% e o Brent, 3,92%.

No câmbio, o dólar recuou ante outras moedas fortes, o que tende a apoiar a demanda dos detentores de outras divisas pela commodity.

Além disso, a Rystad Energy nota que a commodity foi apoiada nesta semana por um mercado de energia global “apertado”. A consultoria destaca problemas de falta de carvão na Ásia, que podem reforçar mais a demanda por petróleo.

O TD Securities, por sua vez, destaca o aumento recente nos preços do gás natural na Europa. O banco vê isso como fruto de uma combinação de clima extremo e fracassos políticos, com implicações que aumentam a demanda por petróleo.

O banco de investimentos acredita que um inverno frio poderia aprofundar essa “crise de energia atual” para além de setores com uso intensivo de energia.

Nesse contexto, o Commerzbank afirma em relatório que elevou sua previsão para o preço médio do barril do Brent no atual trimestre de US$ 75 a US$ 85. No primeiro trimestre de 2022, a expectativa do banco alemão subiu de US$ 70 a US$ 75.

Mais Recentes da CNN