Preço dos imóveis sobe 1,1% no semestre e supera inflação, diz FipeZap

Em um ano, alta foi de 0,81%; preço médio pedido por metro quadrado no país atingiu R$ 7.307 em junho

Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

No semestre em que a economia global foi marcada pela pandemia do coronavírus, os imóveis residenciais no Brasil surpreenderam e apresentaram valorização. Isso é o que mostra o Índice Fipezap pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) com base nos anúncios do portal Zap.

Segundo o levantamento, os preços pedidos subiram em média 1,1% no primeiro semestre, batendo a inflação (medida pelo IPCA) projetada para o mesmo período, de apenas 0,08%. Na prática, isso aponta para uma alta real de 1,03%.

Leia também:

Covid e juro baixo podem levar geração Y a querer casa própria, diz CEO do ZAP

Juro baixo favorece portabilidade de financiamento do imóvel, veja como fazer

Entre as 16 capitais pesquisadas, foram registradas altas em 13 delas no primeiro semestres: Florianópolis (4,16%), Curitiba (3 24%), Campo Grande (2,98%), Brasília (2,37%), Belo Horizonte (2 13%), Maceió (2,13%), Vitória (1,66%), São Paulo (1,59%), Manaus (1,35%), Salvador (0,99%), Goiânia (0,71%), Porto Alegre (0,51%) e Rio de Janeiro (0,37%). Já em outras 3 capitais, houve quedas no semestre: João Pessoa (-0,38%), Fortaleza (-1,35%) e Recife (-3,88%).

No mês de junho, os preços pedidos cresceram 0,18%. E no acumulado dos últimos 12 meses, a alta foi de 0,81%. Com esses resultados, o preço médio pedido por metro quadrado no país atingiu R$ 7.307 em junho. Os valores mais altos estão no Rio de Janeiro (R$ 9.323), São Paulo (R$ 9.132) e Brasília (R$ 7.491).

O coordenador do Índice Fipezap, Eduardo Zylberstajn, avalia que a valorização dos imóveis no primeiro semestre mostra que o mercado contou com mais fatores positivos do que negativos.

Embora a pandemia tenha causado uma paralisação da economia, redução da renda de milhões de brasileiros e postergação de negócios, uma outra parte dos consumidores ainda vê sentido em trocar o aluguel pela casa própria, e pode contar com os juros mais baixos da história para financiar uma aquisição.

“Ainda que tenha um choque no emprego e na renda, há uma outra situação favorável, de juros baixos, o que é essencial para embasar essas negociações e sustentar o preço dos imóveis”, observa Zylberstajn.

O coordenador também lembra que havia uma demanda reprimida no setor, uma vez que muitas pessoas deixaram de comprar imóveis durante a crise anterior, iniciada em 2014. Essas transações estão acontecendo atualmente, diz. “E o preço dos imóveis no Brasil é rígido. Na pandemia, ninguém sai vendendo o imóvel com medo. Quem tem imóvel, fica receoso em dar um super desconto e perder dinheiro”, conta.

Preços tendem a seguir em alta, apesar da crise

Zylberstajn acredita ainda que o preço dos imóveis continuará acima da inflação neste segundo semestre, ou seja, manterá a trajetória de valorização.

“Considerando um abrandamento da pandemia e uma retomada da economia, ainda que lenta, então temos condições para a manutenção desse cenário de valorização. Vai ser uma valorização pequena, nada de uma super alta, claro”, prevê.

“A inflação seguirá sob controle, os estoques de imóveis novos estão relativamente baixos, e os lançamentos de novos projetos diminuíram o ritmo. Isso tudo indica condições de continuarmos vendo aumento nos preços”, afirma.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Tópicos

Mais Recentes da CNN