Preços de commodities começa semana em alta e já surpreendem investidores

O trigo, em alta de 7% nessa segunda-feira (7), mas acumula subida de 75% no ano; barril do petróleo bateu US$ 139 ontem à noite

Preços mundiais do petróleo: barril bateu US$ 139 no domingo
Preços mundiais do petróleo: barril bateu US$ 139 no domingo Anton Petrus / Getty Images

Thais Herédiada CNN

Ouvir notícia

“Estou sem palavras” foi a frase dita por um executivo do mercado financeiro internacional ouvido pela Reuters para explicar o que está acontecendo com os preços das commodities de metais, óleo e gás.

O gás natural subia hoje mais de 70%, para o maior nível da história, equivalente a US$ 600 o barril do petróleo.

“Nenhuma indústria consegue operar nesse nível de preço da energia”, disse Roberto Attuch, da Ohmresearch.

O trigo, em alta de 7% nessa segunda-feira (7), mas acumula subida de 75% no ano. Aqui no Brasil, na conta da Necton, a valorização do real baixa essa conta para perto de 55%.

O barril do petróleo bateu US$ 139 ontem à noite. O gatilho foi a fala do secretário de estado americano, Antony Blinken, em “banir a importação de petróleo da Rússia.”

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão europeia reforçou: “nada está fora da mesa; estamos preparando outras medidas”, sem dar mais detalhes.

Da Lituânia, onde está para acontecer um encontro com ministros de relações exteriores de outros países, Blinken disse que o fato da Rússia conquistar uma cidade não significa que vai ganhar a guerra.

Como sempre aconteceu em situações de elevadíssima incerteza, a rápida correção no mercado financeiro vem pelo preço. São muitos os agravantes agora, num conjunto inédito de medidas e repercussões sem precedentes.

Há pouco mais de dois anos do inicio da pandemia, que paralisou o mundo e fez eclodir um nível elevadíssimo de incerteza, analistas avaliam que não é possível fazer uma comparação com o quadro atual.

“São cenários diferentes. O impacto da pandemia veio de uma vez só. Desde setembro nós acompanhamos o crescimento da tensão na Ucrânia. Claro que nunca esperamos que chegasse aonde chegou, mas não foi um susto. A gente espera muito bom senso nas próximas medidas porque todos sabemos que o caos é ruim para os negócios e a destruição de demanda mundial pode ser absurda”, disse Attuch.

Para Mauro Morelli, da Davos Investimentos, os dois eventos têm características de imprevisibilidade. A diferença está nas referências ao logo do tempo.

“A pandemia é um evento que acontece a cada século. A guerra, infelizmente, é um evento que acompanhamos há décadas, aconteceu muitas vezes, inclusive com a Rússia invadindo a Geórgia e a Criméia. Isso é muito grave, inclusive do ponto de vista humanitário, mas temos alguma referência para lidar”, afirma Morelli.

Mais Recentes da CNN