Senado aprova projeto que limita juros do crédito rotativo; Câmara pode barrar

Para os bancos, o tabelamento dos juros pode gerar problemas, como distorções de preços, gargalos nos empréstimos e insegurança jurídica

Capa do podcast Abertura de Mercado
Capa do podcast Abertura de Mercado Foto: CNN Brasil

Fernando Nakagawada CNN

Ouvir notícia

O limite de 30% ao ano representa um patamar muito inferior à média de 110% cobrada atualmente no limite negativo da conta corrente ou os até 300% do cartão de crédito. Rodrigo Maia já indicou que é contra a medida. A Federação Brasileira dos Bancos, a Febraban, concorda com a redução do custo do crédito, mas é contrária à iniciativa.

No episódio de hoje:

– O ministro da Economia, Paulo Guedes, entrou na discussão sobre as políticas ambientais do governo brasileiro;
– Em teleconferência, ele disse que a Amazônia é um assunto nacional, o Brasil é soberano e lembrou que os Estados Unidos destruíram florestas no passado;
– As afirmações foram feitas em um debate promovido pelo centro de estudos norte-americano Aspen Institute;
– A fala do ministro da economia ocorreu um dia após o maior supermercado britânico, o Tesco, anunciar o boicote à carne brasileira em resposta às políticas ambientais do governo Jair Bolsonaro
– O Senado aprovou na noite de ontem o projeto que limita em 30% o juro máximo que pode ser cobrado no cheque especial e cartão de crédito durante a pandemia;
– Isso representa um patamar muito inferior à média de 110% cobrada atualmente no limite negativo da conta corrente ou os até 300% do cartão de crédito; 
– Agora, o texto precisa ser aprovado pela Câmara dos Deputados. Rodrigo Maia já indicou que é contra a medida; 
– A Federação Brasileira dos Bancos, a Febraban, concorda com a redução do custo do crédito, mas é contrária à iniciativa;
– Para os bancos, o tabelamento dos juros pode gerar problemas, como distorções de preços, gargalos nos empréstimos e insegurança jurídica;
– Ainda presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes disse que avalia separar alguns negócios da instituição financeira;
– O executivo que já pediu demissão do cargo deu entrevista ontem para comentar os resultados BB no segundo trimestre;
– A jornalistas, disse que “há muita coisa, muitos negócios” a avaliar no universo da Elopar, que é dona da bandeira de cartões Elo, e também na Cielo, que é líder do mercado brasileiro de maquininhas de leitura de cartões de crédito e débito;
– O Banco do Brasil é sócio dessas duas empresas;
– Juro baixo somado à entrada de pessoas físicas na bolsa podem levar à formação de uma bolha no preço dos ativos do mercado brasileiro;
– A avaliação é de Guilherme Aché, sócio da gestora carioca Squadra, em entrevista ao jornal Valor Econômico;
– Ele avalia que o mercado brasileiro pode, inclusive, estar sendo inflado por movimentos incitados pelas redes sociais, como as empresas que estão na moda no Twitter;
– Na reportagem, Achê diz que tem visto na internet várias análises nas redes que “estão grosseiramente erradas”;
– Ele explica: “um detalhe importante para o ciclo da bolha é que um dos motivos que fazem as pessoas investirem na bolsa é ver amigos, o vizinho, ganhando dinheiro com ações”;
– O sócio da Squadra diz, inclusive, que a gestora está acompanhando ações supervalorizadas por esses fenômenos para montar posições “short” – ou seja, apostar e lucrar com a eventual queda dessas ações;
– A Uber sofreu duramente com a pandemia. No segundo trimestre, as receitas da empresa com corridas com passageiros caíram 67%;
– Isso quer dizer que, grosso modo, o aplicativo perdeu duas a cada três corridas realizadas em igual período de 2019;
– Com cidades fechadas e sem corridas, a Uber amargou prejuízo de US$ 1,8 bi de abril a junho;
– O resultado poderia ter sido ainda pior não fossem as entregas, principalmente de comida. A receita com os serviços como Uber Eats disparou 103%; 
– Usuários podem estar preocupados com as acusações de Donald Trump de que o TikTok roubaria dados dos norte-americanos e entregaria ao governo chinês;
– Uma reportagem do jornal Financial Times com dados da consultoria Sensor Tower mostra que dois aplicativos semelhantes começam a ganhar usuários
– O primeiro é o Byte, que também segue a linha da rede social com vídeos curtos e já tem mais de dois milhões de downloads apenas nos estados unidos 
– Já o Triller, atraiu vários tiktokers norte-americanos e artistas como o rapper Snoop Dogg e tem mais um milhão de celulares com o aplicativo nos EUA;
– Em alguns dias de agosto, o Triller foi, inclusive, mais baixado até que o próprio TikTok na Apple Store local;
– Enquanto isso, interessados em comprar a operação norte-americana do TikTok seguem em conversas com a Bytedance, que é a empresa dona do aplicativo;
– Entre os interessados, está a gigante microsoft que é dona do Windows, do Xbox, Skype e Linkedin;
– AGENDA: O IBGE divulga às 9h da manhã no horário de Brasília a inflação do mês de julho.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

 

Mais Recentes da CNN