Startup de máscaras, Fashion Masks fatura R$ 16 milhões – mas e o pós-pandemia?

Fashion Masks foi criada para ajudar na produção de máscaras em momento inicial da crise sanitária, mas aposta que vai crescer ainda mais no pós Covid-19

Costureiras da Fashion Masks: salários das costureiras é de, pelo menos, R$ 2,5 mil
Costureiras da Fashion Masks: salários das costureiras é de, pelo menos, R$ 2,5 mil Foto: Divulgação/Fashion Masks

André Jankavski,

do CNN Brasil Business, em São Paulo

Ouvir notícia

Poucos produtos se tornaram tão essenciais em 2020 quanto as máscaras. Se no auge da pandemia existia uma escassez desses itens primordiais (a ponto de o país ter importado carregamentos), agora as máscaras podem ser encontradas com facilidade nas ruas, bancas e até em lojas de grife.

Uma marca surgiu em meio ao caos sanitário para servir de ponte entre pequenas oficinas e os consumidores. Com o lema de apoiar as costureiras, a startup Fashion Masks começou vendendo máscaras a partir de R$ 6,90, dependendo da quantidade adquirida.

Atualmente, o quadro de funcionários conta com 80 costureiras fixas. Brenno Faro, um dos sócios-fundadores, afirma que elas ganham por mês cerca de R$ 2,5 mil. 

Deu certo para todos os lados, segundo o empresário. Em menos de nove meses de operação, a companhia encerrou 2020 com um faturamento de R$ 16 milhões e fez parcerias com diversas empresas, como o iFood e a BR Distribuidora, dona dos postos de gasolina da bandeira Petrobras. 

Mas, com o início da vacinação, é possível que esse mercado simplesmente deixe de existir. Logo, como uma empresa que vende basicamente máscaras — que respondem por cerca de 70% das vendas — continuará existindo?

A resposta é por meio da diversificação. A companhia já vende roupas antivirais, acessórios como “ecobags” e estampas politicamente corretas e agora pretende entrar no segmento de itens para a casa.

A meta para 2021 é bem ambiciosa: aumentar o faturamento em 150% para R$ 40 milhões e lançar mais de 1 mil novos modelos de roupa. A ideia é que metade do faturamento venha de vestuário, sendo 30% da linha fitness, que ainda será lançada, e 20% da linha íntima (máscaras estarão inclusas nesse segmento, juntamente com cuecas e meias).

Parcerias

A Fashion Masks contou com parceiros importantes desde o início. A fabricante de roupas e tecidos Malwee, por exemplo, ajudou a startup com matérias-primas e prazos de pagamento generosos. O AME, programa de cashback da B2W (BTOW3), e os unicórnios Vtex e 99 também foram essenciais na empreitada. Foi assim que o site da empresa, por exemplo, foi criado gratuitamente, segundo Faro. 

Brenno Faro, fundador da Fashion Masks
Brenno Faro, fundador da Fashion Masks: empresa já é financeiramente sustentável
Foto: Divulgação/Fashion Masks

Agora, tudo mudou. A empresa já é financeiramente sustentável. Logo, um aporte, por exemplo, não é prioridade. 

“Como tivemos um apoio da iniciativa privada, temos esse fôlego. Nosso foco são as costureiras e queremos mantê-las trabalhando”, diz.

Mas, se até então o mercado de máscaras era algo que todas as empresas estavam desbravando, agora a Fashion Masks vai ter que brigar com os grandes do setor da moda — inclusive aqueles que já foram seus parceiros em algum momento. Mais do que isso, vai ter que mostrar que consegue ir além das máscaras.

Tópicos

Mais Recentes da CNN