Vale eleva a até US$6 bi previsão de investimentos para reduzir emissão de gases

Vale estabeleceu como meta a redução de 33% das emissões de carbono até 2030

Logo da Vale em prédio no Rio de Janeiro
Logo da Vale em prédio no Rio de Janeiro Foto: Ricardo Moraes/Reuters

Por Bruno Villas Bôas, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

 A Vale informou nesta quinta-feira (24) em apresentação publicada na internet, que investirá de US$ 4 bilhões a US$ 6 bilhões até 2030 para a redução de emissões de gases do efeito estufa (GEE).

O valor previsto chega a ser o triplo do anteriormente divulgado pela Vale, de, pelo menos, US$ 2 bilhões em dez anos.

A Vale informou que o aumento dos investimentos na diminuição de emissões de gases do efeito estufa (GEE), que pode chegar a US$ 6 bilhões até 2030, é resultado da “maturidade adquirida no portfólio de iniciativas de redução das emissões diretas da empresa”, o chamado escopo 1. Durante apresentação a analistas, a Vale informou que investirá de US$ 4 bilhões a US$ 6 bilhões até 2030 para a redução de emissões de gases do efeito estufa.

O valor chega a ser o triplo do anteriormente divulgado pela mineradora, de, pelo menos, US$ 2 bilhões nos dez anos seguintes. “Até 2030, a Vale irá revisar e atualizar o seu plano de atendimento da meta carbono, anunciada em 2019”, informou a empresa.

A Vale estabeleceu como meta a redução de 33% das emissões de carbono até 2030. Esta redução se refere a emissões diretas, oriundas de suas operações, e indiretas, geradas ao longo do processo produtivo – denominadas de escopos 1 e 2.

São projetos como maior eficiência energética, eletrificação de mina e ferrovia, uso de biocombustíveis na pelotização em lugar do carvão.

A mineradora também prevê reduzir em 15% as emissões líquidas de escopo 3, relativas à sua cadeia de fornecedores e clientes, até 2035.

Neste caso, a empresa apóia-se na alta qualidade de seus produtos, que demandam menor uso de energia no alto forno siderúrgico, reduzindo as emissões. Também se apoia em soluções tecnológicas próprias de baixo carbono para siderúrgicas.

Mais Recentes da CNN