XP melhora projeção de crescimento do Brasil de 5,2% para 5,5% em 2021

A XP calcula ainda que o PIB cresceu 0,2% no segundo trimestre deste ano sobre os três meses anteriores, após ajuste sazonal

Sede da XP Investimentos, em São Paulo
Sede da XP Investimentos, em São Paulo Foto: Amanda Perobelli/Reuters

Camila Moreira,

da Reuters

Ouvir notícia

A XP melhorou suas projeções para o crescimento econômico do Brasil neste ano a 5,5% e em 2022 a 2,3% diante da perspectiva de aceleração dos serviços e da vacinação, mas também passou a ver a inflação mais alta em 2021.

Anteriormente, a XP projetava crescimento do Produto Interno Bruto de 5,2% em 2021 e 2,0% em 2022.

“Os números favoráveis da atividade doméstica no último trimestre podem ser explicados, em grande medida, pela reabertura da economia em meio a avanços significativos na campanha de vacinação contra a Covid-19”, disse em nota a equipe da XP , comandada pelo economista-chefe Caio Megale.

“Além disso, o retorno dos pagamentos de auxílio emergencial às famílias mais vulneráveis, a antecipação de alguns benefícios previdenciários e a nova edição do BEm também contribuíram de forma importante para a sustentação da demanda interna”, completou.   

 A nota, entretanto, chamou a atenção para as incertezas políticas, diante do avanço das investigações da CPI da Covid-19 no Senado e a proximidade da eleição do ano que vem.

A XP calcula ainda que o PIB cresceu 0,2% no segundo trimestre deste ano sobre os três meses anteriores, após ajuste sazonal, classificando as perspectivas para o segundo semestre como “promissoras”. Esse resultado será seguido de altas de 1,0% no terceiro trimestre e de 0,7% no quarto, na mesma base de comparação.

“A forte retomada dos índices de confiança de empresários e consumidores sinaliza aceleração no ritmo de crescimento da atividade local no terceiro trimestre”, apontou a nota, que prevê maior tração dos serviços atrelados às família diante do avanço da imunização contra a Covid-19.

IPCA

Com a retomada mais forte dos serviços, a expectativa para a inflação subiu a 6,6% este ano, de 6,4% antes, bem acima do teto da meta oficial –3,75% com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual.

A inflação de serviços passou a ser estimada em 3,6%, de 3,0% antes. Para 2022, foi mantida a projeção de IPCA em 3,6%.

A XP cita ainda os efeitos do reajuste na taxa da bandeira tarifária de energia elétrica vermelha 2, parcialmente compensada pelo reajuste de -8,19 da Agência Nacional de Saúde Suplementar para os planos de saúde individuais e familiares para 2021/2022.

A XP calcula ainda que a taxa de desemprego terminará 2021 em 13,0% e 2022 em 11,5%.

Sobre o câmbio, a XP avalia que não houve mudança nos fundamentos de médio prazo apesar da volatilidade, mantendo a projeção de dólar a R$ 4,90 no final deste ano e de R$4,90 em 2022.

Em relação à política monetária, a projeção é de duas elevações da taxa básica de juros Selic de 1 ponto percentual em agosto e setembro, seguida de uma alta final de 0,5 ponto em outubro. Atualmente a Selic está em 4,25%.

“Acelerando o ritmo, nossos modelos sugerem que o Copom obtém a convergência da inflação com a Selic parando em 6,75%, ao redor do seu valor considerado neutro”, disse.

Mais Recentes da CNN