Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ações da Amazon caem 14% com previsão de vendas no trimestre de férias nos EUA

    Gigante do varejo eletrônico registrou receita de US$ 127,1 bilhões no terceiro trimestre

    Catherine Thorbeckedo CNN Business

    As ações da Amazon caíram cerca de 14% nas negociações desta quinta-feira, depois que a empresa previu que suas vendas no trimestre de férias nos Estados Unidos seriam mais leves do que os analistas esperavam.

    A gigante do comércio eletrônico disse que espera que a receita nos últimos três meses do ano fique entre US$ 140 bilhões e US$ 148 bilhões, significativamente abaixo dos US$ 155 bilhões que analistas consultados pela Refinitiv esperavam. A previsão mais fraca ocorre quando a inflação crescente e os temores de uma recessão iminente pesam nas decisões de compra do consumidor.

    A Amazon registrou receita de US$ 127,1 bilhões no terceiro trimestre, um aumento de 15% em relação ao ano anterior, mas abaixo das estimativas de Wall Street.

    “Obviamente, há muita coisa acontecendo no ambiente macroeconômico, e vamos equilibrar nossos investimentos para serem mais simplificados sem comprometer nossas principais apostas estratégicas de longo prazo”, disse o CEO da Amazon, Andy Jassy, ​​em comunicado que acompanha o comunicado de resultados.

    A empresa informou que suas vendas no segmento Amazon Web Services aumentaram 27% ano a ano, para US$ 20,5 bilhões – representando um ritmo de crescimento mais lento para uma unidade de negócios observada de perto do que Wall Street esperava.

    Mas, a divisão de computação em nuvem da Amazon continua sendo um forte impulsionador de lucro para a empresa. A Amazon registrou lucro de US$ 2,9 bilhões no período de três meses, muito melhor em relação ao trimestre anterior, quando registrou prejuízo líquido de US$ 2 bilhões em grande parte devido ao seu investimento na fabricante de veículos elétricos Rivian.

    Os últimos resultados chegam em um momento precário para a gigante do comércio eletrônico. A Amazon viu inicialmente seu boom de negócios durante a pandemia, à medida que mais consumidores confiavam nas compras online. Este ano, no entanto, a empresa está enfrentando uma mudança de volta para as compras pessoais, bem como uma perspectiva econômica acirrada que prejudicou a demanda dos consumidores.

    Jesse Cohen, analista sênior do Investing.com, disse que o relatório de lucros da Amazon “prova que não está imune aos desafios enfrentados pelo setor de tecnologia em geral, à medida que enfrenta dificuldades macroeconômicas cada vez maiores, como inflação crescente e preocupações com uma possível recessão”, diz.