Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Preço médio do aluguel em Manhattan bate novo recorde em março

    Locação de imóvel de 1 dormitório custa, em média, US$ 4.175, aumento de 12,8% em relação ao ano anterior e de 2% em relação a fevereiro

    Aluguel médio para todos os tamanhos de apartamentos juntos também atingiu novo recorde
    Aluguel médio para todos os tamanhos de apartamentos juntos também atingiu novo recorde Alexander Spatari/Getty Images

    Anna Bahneyda CNN

    Mesmo com os preços dos aluguéis caindo em algumas partes dos Estados Unidos, nunca custou tanto alugar um apartamento em Manhattan, distrito mais famoso de Nova York (EUA), como em março.

    Normalmente, a atividade de aluguel aumenta da primavera até o pico no final do verão, mas o aluguel médio no mês passado foi o mais alto já registrado, de acordo com um relatório da corretora Douglas Elliman, e da Miller Samuel, uma empresa de avaliação e consultoria.

    O custo médio de alugar um apartamento de um dormitório em Manhattan foi de US$ 4.175 em março. Isso representa um aumento de 12,8% em relação ao ano anterior e de 2% em relação a fevereiro.

    O recorde anterior de US$ 4.150 foi estabelecido em julho.

     

    O custo médio para alugar um apartamento de apenas um quarto é de US$ 4.150, um aumento de 9,6% em relação ao ano passado, enquanto um apartamento de dois quartos tem um aluguel médio de US$ 5.680, um aumento de 18,3% em relação ao ano anterior.

    Um apartamento estúdio é alugado por um preço de US$ 3.190, um aumento de 16% em relação ao ano passado.

    Embora o aluguel médio para todos os tamanhos de apartamentos juntos tenha atingido um novo recorde, este não é o mesmo aumento absurdo visto em 2021, disse Jonathan Miller, presidente e CEO da Miller Samuel.

    “Não é um salto gigantesco de preços”, disse ele sobre os aluguéis. “Está subindo cada vez mais e, de vez em quando, sobe o suficiente para atingir uma nova máxima.”

    O oposto do aumento dos aluguéis não é necessariamente a queda dos aluguéis, mas a estabilização dos aluguéis, disse Miller. O novos preços dos aluguéis tem se movimentado, mas não subindo nem descendo muito.

    “Faz parte de um longo processo desde o verão. Havia expectativa de que os aluguéis caíssem e isso não aconteceu. Os aluguéis atingiram o pico no verão passado. Todos os meses desde então, eles estão se movendo de lado”, disse ele. “Com um aumento modesto, foi apenas o suficiente para estabelecer um novo recorde.”

    Um dos principais motivos para os aluguéis continuarem fortes em Manhattan em março é que as taxas de hipoteca dobraram em relação ao ano anterior, tornando a compra de uma casa inacessível para muitos compradores.

    Além disso, a falência de bancos em março criou incertezas que podem ter encorajado algumas pessoas a considerar comprar para alugar, elevando os preços, disse Miller.

    As novas locações em março aumentaram 15,4% em relação ao ano passado, de acordo com o relatório, e a atividade de locação saltou 20,5% em relação a fevereiro.

    “O aumento da atividade de leasing é paralelo ao aumento das taxas de hipoteca que continua a empurrar as pessoas para o mercado de aluguel”, disse Miller. “Não apenas a inacessibilidade, mas também a incerteza.”

    O estoque de imóveis para aluguel em Manhattan estava perto de baixas recordes há um ano e tem subido cada vez mais. O estoque aumentou 40,5% na comparação ano a ano, o que possibilitou maior atividade de locação.

    Embora o estoque tenha aumentado significativamente, está cerca de 10% abaixo das normas de longo prazo, disse Miller.

    Alguns inquilinos parecem esperar que os preços subam, já que em março mais da metade optou por um contrato de dois anos, em vez de um ano, disse Miller.

    “Se você observar a participação de mercado de dois anos, 56,3%, é a maior desde junho de 2021 durante o aumento da atividade de aluguel”, disse Miller. “O que isso me diz é que o consumidor espera que os aluguéis subam daqui para frente e eles estão bloqueando o aluguel agora como uma proteção.”

    Inquilinos podem estar no caminho certo e provavelmente podem esperar mais altas pela frente.

    “Estamos entrando na temporada de locação principal em um mercado já apertado e a pressão sazonal pode forçar a ocorrência de novos recordes”, disse Miller. “Eu não ficaria surpreso se víssemos alguns meses em que vemos mais recordes.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original