Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Banco do Brasil divulga lucro líquido de R$ 8,5 bilhões no 1º trimestre de 2023

    Resultado foi puxado pela carteira de crédito, com desempenho positivo em todos os segmentos, somado ao controle da inadimplência, diversificação de receitas e controle dos custos, diz o comunicado do banco

    Da CNN*

    O Banco do Brasil informou nesta segunda-feira (15) que registrou um lucro líquido ajustado de R$ 8,5 bilhões no primeiro trimestre de 2023.

    Analistas, em média, esperavam que o banco estatal apresentasse lucro líquido de R$ 8,69 bilhões para os três primeiros meses do ano, segundo dados da Refinitiv.

    De acordo com o balanço apresentado hoje, o resultado foi puxado pela carteira de crédito, com desempenho positivo em todos os segmentos, somado ao controle da inadimplência, diversificação de receitas e controle dos custos, diz o comunicado do banco.

    Crédito

    O balanço mostra que a carteira de crédito ampliada, que inclui TVM (títulos e valores mobiliários) privados e garantias, registrou saldo de R$ 1,03 trilhão em março de 2023, crescimento trimestral de 2,7%. Na comparação em 12 meses, o crescimento foi de 16,8%.

    Na carteira de agronegócios, o saldo é de R$ 322,5 bilhões, crescimento anual de 26,7%, de acordo com o banco, que afirma ter a liderança de desembolso no plano safra 2022/2023, com um crescimento de 30% em relação à safra anterior, atingindo R$ 148,4 bilhões. Na atuação da agricultura familiar, o Banco apresentou crescimento de 38% no desembolso de crédito, atingindo R$ 58,4 bilhões em saldo, informa.

    Na categoria Pessoa Física, o crédito chegou a R$ 300,1 bilhões, 3,6% maior no trimestre e 11,7% em 12 meses, com destaque para o desempenho na carteira de crédito consignado – com alta de 3,0% no trimestre e de 9,6% em 12 meses – e do crédito não consignado, 3,7% maior no trimestre e 9,3% em 12 meses.

    O banco destaca ainda as concessões para empresas lideradas por mulheres, que cresceu 36%. Outro destaque foi na linha do Pronampe, com R$ 2,5 bilhões em concessões nos primeiros três meses do ano.

    Inadimplência

    A provisão para perdas com empréstimos mais que dobrou em um ano, passando de R$ 2,76 bilhões no primeiro trimestre de 2022 para 5,86 bilhões.

    O aumento da provisão ocorreu com o índice de inadimplência de operações vencidas há mais de 90 dias voltando a crescer, seguindo tendência do mercado diante da elevação dos juros no país no período.

    O índice passou de 1,89% da carteira no início do ano passado para 2,62% ao final de março, número também maior que os 2,51% do final de 2022.

    *Publicado por Ana Carolina Nunes. Com informações de Reuters