Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Corrida para saques que sucedeu colapso do SVB foi alimentada nas redes sociais

    Clientes sacaram US$ 42 bilhões em um único dia na semana passada do Silicon Valley Bank, deixando o banco com US$ 1 bilhão em saldo de caixa negativo

    Jennifer Kornda CNN

    A enorme quantidade de saques de clientes que levou ao colapso do Silicon Valley Bank tinha todas as características de uma corrida bancária antiquada, mas com uma nova reviravolta condizente com o setor principal ao qual o banco servia: grande parte disso se desenrolou online.

    Os clientes sacaram US$ 42 bilhões em um único dia na semana passada do Silicon Valley Bank, deixando o banco com US$ 1 bilhão em saldo de caixa negativo, disse a empresa em um documento regulatório.

    Os saques surpreendentes ocorreram em uma velocidade permitida pelo banco digital e foram provavelmente alimentados em parte pelo pânico viral que se espalhou nas plataformas de mídia social e, supostamente, em grupos de bate-papo privados.

    No dia que antecedeu o colapso do banco, vários investidores de risco proeminentes acessaram as redes sociais para disparar alarmes sobre a situação, às vezes digitando tudo em letras maiúsculas.

    Alguns investidores pediram às startups que repensassem onde guardavam seu dinheiro. Fundadores e CEOs então compartilharam tweets sobre a situação preocupante no banco em canais privados do Slack, segundo o The Wall Street Journal.

    Do outro lado da tela, os líderes das startups correram para sacar fundos online – tantos, na verdade, que alguns disseram à CNN que o sistema online parecia estar fora do ar.

    Ainda assim, o resultado final foi uma corrida moderna para sacar fundos, que o presidente dos Serviços Financeiros da Câmara, Patrick McHenry, descreveu mais tarde em um comunicado como “a primeira corrida bancária alimentada pelo Twitter”.

    “Mesmo nos tempos antigos, muito antes de termos qualquer forma de comunicação moderna, essas coisas tendiam a ser rumores que se moviam muito rápido. A razão pela qual isso aconteceria é que as pessoas andariam na rua e observariam as pessoas do lado de fora dos bancos ”, disse Andrew Metrick, professor de finanças e administração de Janet L. Yellen na Yale School of Management, à CNN. “Agora não temos isso, mas temos o Twitter.”

    A experiência da corrida ao banco também foi muito diferente das épocas anteriores, quando um grande número de clientes aparecia fisicamente em um banco para sacar fundos (embora alguns também fizessem fila fora dos locais do Silicon Valley Bank). Online ou por dispositivos móveis.

    “O que tornou o Banco do Vale do Silício único foi (1) a facilidade com que seus clientes podiam realizar saques e (2) a velocidade com que se espalhou a notícia do fim iminente do Banco do Vale do Silício”, Ben Thompson, analista que acompanha o setor de tecnologia, escreveu em um post na segunda-feira.

    “Foi a velocidade, alimentada por custos de distribuição zero para rumores e retiradas, que foi tão desestabilizadora.”

    O Silicon Valley Bank era indiscutivelmente suscetível a esses fatores, devido à sua base de clientes com foco em tecnologia.

    Além disso, seus clientes, muitos dos quais eram empresas apoiadas por capital de risco, eram muito mais propensos do que o consumidor médio a manter mais do que o valor máximo padrão do FDIC segurado de US$ 250.000 em suas contas.

    “O FDIC cobre 250 mil, mas vou recuperar todos os meus 8 dígitos?” um fundador de startup disse à CNN na semana passada, depois que o banco entrou em colapso. Outras grandes empresas de tecnologia mantiveram somas ainda maiores com o banco. Isso provavelmente tornou os clientes do banco ainda mais suscetíveis ao pânico que se espalhou online.

    Algumas figuras proeminentes da tecnologia, incluindo Mark Suster, sócio da empresa de capital de risco Upfront Ventures, instaram os membros da comunidade de VC a “falar publicamente para conter o pânico” em torno do Silicon Valley Bank na semana passada e alertaram contra a criação de “histeria em massa”.

    “As clássicas ‘corridas ao banco’ prejudicam todo o nosso sistema”, escreveu ele em um longo tópico no Twitter na quinta-feira.

    “As pessoas estão fazendo piadas públicas sobre isso. Não é brincadeira, isso é coisa séria. Por favor, trate-o como tal.”

    Seus pedidos de calma não foram suficientes. No dia seguinte, a US Federal Deposit Insurance Corporation interveio e assumiu o controle do banco, o que só aumentou o pânico viral.

    “VOCÊ DEVE ESTAR ABSOLUTAMENTE ATERRORIZADO AGORA”, escreveu Jason Calacanis, um investidor em tecnologia, no Twitter no domingo. “ESSA É A REAÇÃO ADEQUADA.”

    Horas depois, o governo Biden interveio e garantiu que os clientes do banco teriam acesso a todo o seu dinheiro a partir de segunda-feira.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original