Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como o maior teste de quatro dias de trabalho por semana mudou a vida de britânicos

    Projeto vem fazendo empresas repensar rotinas no ambiente de trabalho para manter produtividade dos funcionários ao mesmo tempo em que ganham um dia extra de folga

    Nas últimas oito semanas, milhares de pessoas no Reino Unido têm testado uma programação de quatro dias de trabalho, sem corte em seus salários
    Nas últimas oito semanas, milhares de pessoas no Reino Unido têm testado uma programação de quatro dias de trabalho, sem corte em seus salários Pexels

    Ana Coobando CNN Business

    Londres

    Com mais de dois anos de pandemia, muitas pessoas ou estão lutando para sobreviver, ou deixaram seus empregos, ou estão esgotadas, com a inflação recorde que abocanha boa parte de seus salários.

    Mas, nas últimas oito semanas, milhares de pessoas no Reino Unido têm testado uma programação de quatro dias de trabalho, sem corte em seus salários, que poderia ajudar a inaugurar uma nova era.

    Esse é o maior teste de uma semana de trabalho de quatro dias realizado no mundo até agora. Alguns trabalhadores já disseram que se sentem mais felizes, mais saudáveis e estão se saindo melhor em seus empregos.

    ‘Mudança de vida’

    Lisa Gilbert, gerente de serviços de empréstimos do Charity Bank, um provedor de empréstimos éticos no sudoeste da Inglaterra, descreve sua nova rotina como “fenomenal”.

    “Eu posso realmente aproveitar meu fim de semana agora porque eu tenho minha sexta-feira para minhas tarefas ou […] se eu só quero levar minha mãe para passear, posso fazer isso agora sem me sentir culpada”, disse ela à CNN.

    Gilbert cuida de seu filho e de seus pais idosos. O dia extra de folga por semana significa que ela não precisa mais fazer compras às 6 horas da manhã de sábado e pode dedicar mais tempo à família.

    “Acho que estou dizendo ‘sim, podemos’ em vez de ‘não, desculpe, não podemos'”, disse ela.

    O programa-piloto com duração de seis meses engloba 3.300 trabalhadores em 70 empresas. Eles trabalham 80% de sua semana normal em troca da promessa de manter 100% de sua produtividade.

    O programa está sendo executado pela organização sem fins lucrativos, 4 Day Week Global, pelo think thank Autonomy e pela 4 Day Week UK Campaign, em parceria com pesquisadores da Universidade de Cambridge, da Universidade de Oxford e do Boston College.

    Os pesquisadores medirão o impacto que o novo padrão de trabalho terá nos níveis de produtividade, igualdade de gênero, meio ambiente e bem-estar dos trabalhadores. No final de novembro, as empresas podem decidir se vão ou não seguir o novo cronograma.

    Mas, para Lisa, o veredicto já está dado: foi uma “mudança de vida”, disse ela.

    Lisa Gilbert, gerente no Charity Bank, aproveita o dia extra de folga passeando no rio Tâmisa, em Londres / Arquivo pessoal / Nathaniel Gilbert

    ‘Genuinamente caótico’

    A transição não foi sem seus entraves. Samantha Losey, diretora-gerente da Unity, uma agência de relações públicas em Londres, disse à CNN que a primeira semana foi “genuinamente caótica”, com sua equipe despreparada para as transferências de trabalho mais curtas.

    “Para ser totalmente honesta com você, essas duas primeiras semanas foi realmente uma bagunça. Estávamos confusos e desorganizados. Eu pensei que tinha cometido um grande erro. Eu não sabia o que estava fazendo”, disse ela.

    Mas sua equipe rapidamente encontrou maneiras de fazer isso funcionar. Agora, a empresa baniu todas as reuniões internas com mais de cinco minutos, mantém todas as reuniões com clientes em 30 minutos e introduziu um sistema de “semáforo” para evitar distúrbios desnecessários – os colegas têm uma luz em sua mesa e a definem como ‘verde’ se puderem falar, ‘âmbar’ se estiverem ocupados, mas disponíveis para falar, e ‘vermelho’ se não quiserem ser interrompidos.

    Na quarta semana, disse Losey, sua equipe deu um passo à frente, mas admite que há “absolutamente” a possibilidade de restabelecer um cronograma de cinco dias se os níveis de produtividade caírem ao longo dos seis meses de teste.

    “Há uma chance de 25% de não conseguirmos manter (a produtividade), mas a equipe até agora está lutando muito por isso”, disse ela.

    A Unity, uma agência de relações públicas em Londres, introduziu um sistema “semafórico” para que os funcionários não interrompam seus colegas quando eles estão concentrados / Aquivo pessoal / Emily Morrison

    ‘Como uma biblioteca’

    Até o mês passado, a Islândia havia conduzido o maior programa-piloto do mundo de uma semana de trabalho de quatro dias. Entre 2015 e 2019, o país submeteu 2.500 de seus funcionários do setor público a dois testes.

    Fundamentalmente, esses testes não encontraram queda correspondente na produtividade – e um aumento dramático no bem-estar dos funcionários.

    Gary Conroy, fundador e CEO da 5 Squirrels, fabricante de cosméticos na costa sul da Inglaterra, trouxe “tempo de trabalho profundo” para garantir que seus funcionários permaneçam produtivos.

    Por duas horas todas as manhãs e duas horas todas as tardes, a equipe de Conroy ignora e-mails, chamadas ou mensagens do Teams e se concentra em seus projetos.

    “O lugar parece uma biblioteca, e todo mundo apenas abaixa a cabeça e arrasa no trabalho”, disse ele.

    As pessoas passam a maior parte do dia ‘ocupados, mas sem produção‘, de acordo com uma pesquisa da Asana com 10.600 trabalhadores em setembro passado. A empresa de software descobriu que os trabalhadores nos Estados Unidos gastam cerca de 58% do dia em atividades como responder e-mails e participar de reuniões, em vez do trabalho para o qual foram contratados.

    Gary Conroy (à direita), fundador e CEO da 5 Squirrels, fabricante de cosméticos para pele da Inglaterra / Divulgação / 5 Squirrels Ltd

    Conroy disse que as reuniões na empresa costumavam ser uma “sala de conversas”, mas agora são limitadas a 30 minutos e permitidas apenas nas duas horas fora do “tempo de trabalho profundo”. Os resultados superaram as expectativas de todos.

    “[A equipe] começou a perceber que eles estavam arrasando em projetos que sempre colocaram em segundo plano”, disse Conroy.

    ‘Adequado para o século 21’

    O dia extra abriu espaço para muitos trabalhadores assumirem novos hobbies, cumprirem ambições de longa data ou simplesmente investirem mais tempo em seus relacionamentos. Os trabalhadores que participam do teste fizeram aulas de culinária, aulas de piano, voluntariado, pesca e patinação, disseram seus chefes à CNN.

    Para Emily Morrison, diretora de contas da Unity que lutou contra a ansiedade durante grande parte de sua vida adulta, os benefícios foram mais fundamentais.

    “Ter mais tempo livre e menos ‘domingos melancólicos’ no fim de semana ajudou a melhorar minha saúde mental e abordar a semana com uma atitude mais positiva, em vez de já chegar estressada”, disse ela à CNN.

    Mais de dois anos de pandemia, dezenas de trabalhadores atingiram seu limite. Uma pesquisa da McKinsey com 5 mil trabalhadores globais no ano passado descobriu que quase metade relatou sentir-se pelo menos um pouco esgotada.

    Emily Morrison é diretora de contas da Unity, uma agência de relações públicas em Londres, no Reino Unido / Arquivo pessoal / Emily Morrison

    Losey disse que um dos principais motivos pelos quais decidiu inscrever a Unity no piloto foi compensar o “nível extraordinário de esgotamento” que sua equipe enfrentou durante o pior da pandemia.

    Mark Howland, diretor de marketing e comunicações do Charity Bank, disse à CNN que usa seu dia de folga para melhorar sua saúde e condicionamento físico.

    Ele sempre quis competir em um triatlo, mas se sentiu culpado por passar tempo longe de sua família para treinar. Não mais.

    “Com meu dia de folga, tenho feito longas corridas de bicicleta, cuidando de mim, tirando algum tempo e depois tendo o fim de semana inteiro para fazer as coisas em casa e passar tempo com a família”, disse Howland.

    É improvável que o banco volte a ser como era antes.

    “A semana de trabalho de cinco dias é um conceito do século 20, que não é mais adequado para o século 21”, disse ele.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original