Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como o Silicon Valley Bank faliu em 48 horas? Veja linha do tempo

    Principal banco para startups de tecnologia dos EUA está sob controle de reguladores federais

    Fachada do Silicon Valley Bank.
    Fachada do Silicon Valley Bank. Anadolu Agency/ Getty Images

    Ramishah MarufAllison Morrowda CNN

    Esta semana, o principal banco para startups de tecnologia dos Estados Unidos se desfez rapidamente, deixando seus clientes e investidores no limbo.

    O Silicon Valley Bank (SVB), enfrentando uma súbita corrida aos bancos e uma crise de capital, entrou em colapso na manhã de sexta-feira (10) e foi adquirido por reguladores federais.

    Foi a maior quebra de um banco dos EUA desde o Washington Mutual em 2008.

    O que é o SVB?

    Fundado em 1983, o SVB se especializou em serviços bancários para startups de tecnologia. Forneceu financiamento para quase metade das empresas americanas de tecnologia e saúde apoiadas por capital de risco.

    Embora relativamente desconhecido fora do Vale do Silício, o SVB estava entre os 20 maiores bancos comerciais americanos, com US$ 209 bilhões (cerca de R$ 1 trilhão) em ativos totais no final do ano passado, de acordo com o Corporação Federal de Seguro de Depósitos dos EUA (FDIC).

    Por que faliu?

    Em suma, o SVB encontrou uma clássica corrida ao banco.

    A versão mais longa é um pouco mais complicada. Várias forças colidiram para derrubar o banqueiro.

    Primeiro, houve o Federal Reserve, que começou a aumentar as taxas de juros há um ano para domar a inflação.

    O Fed agiu de forma agressiva e os custos de empréstimos mais altos minaram o ímpeto das ações de tecnologia que beneficiaram o SVB.

    As taxas de juros mais altas também corroeram o valor dos títulos de longo prazo que o SVB e outros bancos engoliram durante a era das taxas de juros ultrabaixas, quase zero.

    A carteira de títulos de US$ 21 bilhões (cerca de R$ 100 bilhões) do SVB estava rendendo uma média de 1,79% – o atual rendimento do Tesouro de 10 anos é de cerca de 3,9%.

    Ao mesmo tempo, o capital de risco começou a secar, forçando as startups a sacar os fundos mantidos pelo SVB.

    Assim, o banco estava parado sobre uma montanha de perdas não realizadas em títulos no momento em que o ritmo de saques dos clientes aumentava.

    O pânico toma conta…

    Na quarta-feira, o SVB anunciou que havia vendido vários títulos com prejuízo e que também venderia US$ 2,25 bilhões (cerca de R$ 10 bilhões) em novas ações para reforçar seu balanço.

    Isso desencadeou pânico entre as principais empresas de capital de risco, que supostamente aconselharam as empresas a sacar seu dinheiro do banco.

    As ações do banco começaram a despencar na manhã de quinta-feira e, à tarde, arrastavam as ações de outros bancos com elas, pois os investidores começaram a temer uma repetição da crise financeira de 2007-2008.

    Na manhã de sexta-feira, a negociação de ações da SVB foi interrompida e ela abandonou os esforços para levantar capital rapidamente ou encontrar um comprador.

    Os reguladores da Califórnia intervieram, fechando o banco e colocando-o em liquidação sob o FDIC.

    Medos de contágio diminuem

    Apesar do pânico inicial em Wall Street, analistas disseram que é improvável que o colapso do SVB desencadeie o tipo de efeito dominó que dominou o setor bancário durante a crise financeira.

    “O sistema está tão bem capitalizado e líquido como sempre esteve”, disse o economista-chefe da Moody’s, Mark Zandi. “Os bancos que agora estão com problemas são pequenos demais para serem uma ameaça significativa ao sistema mais amplo.”

    Até segunda-feira de manhã, todos os depositantes segurados terão acesso total aos seus depósitos segurados, de acordo com o FDIC. O órgão pagará aos depositantes não segurados um “dividendo antecipado na próxima semana”.

    O que vem a seguir?

    Portanto, embora um contágio mais amplo seja improvável, bancos menores que estão desproporcionalmente vinculados a setores sem dinheiro, como tecnologia e criptomoeda, podem enfrentar dificuldades, de acordo com Ed Moya, analista sênior de mercado da Oanda.

    “Todo mundo em Wall Street sabia que a campanha de aumento de juros do Fed acabaria quebrando alguma coisa, e agora isso está derrubando pequenos bancos”, disse Moya na sexta-feira.

    O FDIC normalmente vende os ativos de um banco falido para outros bancos, usando os recursos para reembolsar os depositantes cujos fundos não foram segurados.

    Um comprador ainda pode surgir para o SVB, embora esteja longe de ser garantido.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original