Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fabricante de cigarros eletrônicos Juul Labs encerra processo nos EUA por US$ 7,9 mi

    Empresa foi acusada de práticas injustas e enganosas na publicidade e comercialização de seus produtos no estado, visando especificamente adolescentes

    Juul Labs, empresa de cigarros eletrônicos dos EUA
    Juul Labs, empresa de cigarros eletrônicos dos EUA Lindsay Fox/Pixabay

    Ramishah Marufda CNN

    Nova York

    A Virgínia Ocidental, nos EUA, resolveu um processo com a fabricante de cigarros eletrônicos Juul Labs por um total de US$ 7,9 milhões, anunciou o procurador-geral do estado na segunda-feira.

    A empresa foi acusada de atos ou práticas injustas e enganosas na publicidade e comercialização de seus produtos no estado, visando especificamente adolescentes.

    O processo alegou que a Juul visava esses usuários por meio de mídias sociais, marketing de influenciadores, blogueiros de moda e celebridades populares entre os adolescentes.

    “Este acordo coloca empresas como a Juul em xeque para não copiar o manual às grandes companhas de tabaco e direcionar as estratégias de marketing para pessoas menores de idade”, falou o procurador-geral da Virgínia Ocidental, Patrick Morrisey.

    Morrisey disse que o tribunal alegou que a Juul “enganou os consumidores sobre sua força de nicotina, deturpou a equivalência de nicotina de seus produtos aos cigarros tradicionais e subestimou os riscos de dependência que ocorrem com níveis tão poderosos da substância”.

    A AG disse que 14,3% dos alunos do ensino médio da Virgínia Ocidental usaram cigarros eletrônicos pelo menos uma vez nos últimos 30 dias, acima da média nacional de 13,2%.

    Em um comunicado, um porta-voz da empresa Juul disse que o acordo é “mais um passo em seu compromisso contínuo de resolver problemas do passado da empresa”.

    Para a companhia, os termos do acordo irão aos “recursos financeiros para combater ainda mais o uso de menores de idade e desenvolver programas de cessação” e faz parte das práticas comerciais atuais implementadas em 2019.

    “Com a Virgínia Ocidental tendo a maior taxa de tabagismo nos EUA, esperamos que alguns fundos sejam direcionados diretamente para intervenções com o objetivo de reduzir o uso de cigarros combustíveis e melhorar a saúde pública no estado”, disse a empresa. “A Juul Labs continua focada em… sua missão de fazer a transição de fumantes adultos para longe dos cigarros – a causa número um de morte evitável”.

    Em dezembro passado, a empresa anunciou que resolveu mais de 5.000 casos apresentados por aproximadamente 10 mil demandantes nos EUA, resolvendo uma quantidade substancial de questões legais para a empresa.

    A companhia falou que os casos foram vários danos pessoais, ações coletivas de consumidores ou de entidades governamentais e grupos de povos nativos, mas não divulgou o valor do acordo.

    Isso se seguiu a um anúncio em setembro de que a Juul pagaria US$ 438,5 milhões a 34 estados e territórios após uma investigação de dois anos sobre suas práticas de marketing e vendas – como na Virgínia Ocidental, a fabricante de cigarros eletrônicos foi acusada de comercializar deliberadamente seus produtos para jovens.

    Em um ponto, a Juul estava vendendo alguns dos vapes mais populares nos EUA, especialmente os produtos aromatizados que a empresa parou de comercializar em 2019.

    No verão passado, a FDA ordenou que os produtos fossem removidos do mercado dos EUA. Um tribunal bloqueou temporariamente a proibição da FDA, de modo que ainda estão à venda nos país.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original