Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Facebook e TikTok aprovam anúncios com desinformação sobre eleições nos EUA

    Pesquisadores testaram plataformas enviando propagandas com informações flagrantemente falsas sobre votação de meio de mandato; ambas aceitaram maioria delas

    Pesquisadores retiraram os anúncios após passarem pelo processo de aprovação, para que informações erradas não fossem exibidas aos usuários
    Pesquisadores retiraram os anúncios após passarem pelo processo de aprovação, para que informações erradas não fossem exibidas aos usuários charlesdeluvio/Unsplash

    Jennifer Korndo CNN Business*

    O Facebook e o TikTok falharam em bloquear anúncios com desinformação “flagrante” sobre quando e como votar nas eleições de meio de mandato dos Estados Unidos, bem como sobre a integridade do processo de votação, de acordo com um novo relatório da agência de direitos humanos Global Witness e da Cybersecurity for Democracy Team (C4D), da Universidade de Nova York.

    Em um experimento, os pesquisadores enviaram 20 anúncios com declarações imprecisas ao Facebook, TikTok e YouTube. Os anúncios foram direcionados para estados como Arizona e Geórgia.

    Enquanto o YouTube foi capaz de detectar e rejeitar todos os envios de testes e suspender o canal usado para publicá-los, as outras duas plataformas se saíram visivelmente piores, de acordo com o relatório.

    O TikTok aprovou 90% dos anúncios que continham informações flagrantemente falsas ou enganosas, descobriram os pesquisadores. Enquanto isso, o Facebook aprovou um “número significativo”, de acordo com o relatório, embora visivelmente menor que o TikTok.

    Os anúncios, enviados em inglês e espanhol, incluíam informações afirmando falsamente que os dias de votação seriam estendidos e que as contas de mídia social poderiam funcionar como meio de verificação de eleitores.

    Os anúncios também continham alegações destinadas a desencorajar a participação dos eleitores, como alegações de que os resultados das eleições poderiam ser hackeados ou que foi pré-decidido.

    Os pesquisadores retiraram os anúncios após passarem pelo processo de aprovação, para que os anúncios contendo informações erradas não fossem exibidos aos usuários.

    “O desempenho do YouTube em nosso experimento demonstra que detectar desinformação eleitoral prejudicial não é impossível”, disse Laura Edelson, codiretora da equipe C4D da NYU, em uma nota que acompanha o relatório.

    “Mas todas as plataformas que estudamos deveriam ter obtido nota ‘A’ nesta tarefa. Pedimos ao Facebook e ao TikTok que façam melhor: parem as informações ruins sobre eleições antes que cheguem aos eleitores”.

    Em resposta ao relatório, um porta-voz da Meta, controladora do Facebook, disse que os testes “se basearam em uma amostra muito pequena de anúncios e não são representativos, dado o número de anúncios políticos que analisamos diariamente em todo o mundo”.

    O porta-voz acrescentou: “Nosso processo de revisão de anúncios tem várias camadas de análise e detecção, antes e depois de um anúncio ser publicado”.

    Um porta-voz do TikTok disse que a plataforma “é um lugar para conteúdo autêntico e divertido, e é por isso que proibimos e removemos desinformação eleitoral e publicidade política paga de nossa plataforma. Valorizamos o retorno analítico de ONGs, acadêmicos e outros especialistas que nos ajudam a fortalecer continuamente nossos processos e políticas”.

    O Google disse que “desenvolveu extensas medidas para combater a desinformação em nossas plataformas, incluindo falsas alegações sobre eleições e procedimentos de votação”.

    A empresa acrescentou: “Sabemos o quanto é importante proteger nossos usuários desse tipo de abuso – principalmente antes de grandes eleições como as dos Estados Unidos e do Brasil – e continuamos investindo e melhorando nossos sistemas de fiscalização para melhor detectar e remover estes conteúdos”.

    Vitolda Klein/ Unsplash

    Embora limitado em escopo, o experimento pode renovar as preocupações sobre as medidas tomadas por algumas das maiores plataformas sociais para combater não apenas a desinformação sobre candidatos e questões, mas também a desinformação aparentemente clara sobre o processo de votação em si, com apenas algumas semanas antes da votação de meio de mandato.

    O TikTok, cuja influência e julgamento na política dos EUA cresceu nos últimos ciclos eleitorais, lançou um Centro de Eleições em agosto para “conectar pessoas que se envolvem com conteúdo eleitoral a informações oficiais”, incluindo orientações sobre onde e como votar, e adicionou rótulos para identificar conteúdo relacionado às eleições de meio de mandato, de acordo com uma postagem no blog da empresa.

    No mês passado, o TikTok tomou medidas adicionais para proteger a veracidade do conteúdo político antes das eleições de meio de mandato. A plataforma começou a exigir “verificação obrigatória” para contas políticas sediadas nos Estados Unidos e lançou uma proibição geral de toda arrecadação de fundos políticos.

    “Como estabelecemos antes, queremos continuar a desenvolver políticas que sustentem e promovam um ambiente positivo que una as pessoas, não as divida”, disse Blake Chandlee, presidente de soluções de negócios globais do TikTok, em um post no blog.

    “Fazemos isso atualmente trabalhando para manter a desinformação prejudicial fora da plataforma, proibindo a publicidade política e conectando nossa comunidade com informações oficiais sobre eleições”.

    A Meta disse em setembro que seu plano de médio prazo incluiria a remoção de falsas alegações sobre quem pode votar e como, bem como apelos à violência ligada a uma eleição. Mas a Meta não chegou a proibir alegações de eleições fraudadas ou fraudulentas, e a empresa disse ao Washington Post que esses tipos de alegações não serão removidas por nenhum conteúdo envolvendo as eleições de 2020.

    Olhando para o futuro, a Meta proibiu anúncios nos EUA que “questionam a legitimidade de uma eleição futura ou em andamento”, incluindo as eleições intermediárias, de acordo com a política da empresa.

    O Google também tomou medidas em setembro para proteger contra desinformação eleitoral, elevando informações confiáveis e exibindo-as com mais destaque em serviços como pesquisa e YouTube.

    As grandes empresas de mídia social normalmente contam com uma mistura de sistemas de inteligência artificial e moderadores humanos para verificar a grande quantidade de postagens em suas plataformas. Mas mesmo com abordagens e objetivos semelhantes, o estudo é um lembrete de que as plataformas podem diferir muito em suas ações de aplicação de conteúdo.

    De acordo com os pesquisadores, o único anúncio que eles enviaram e que o TikTok rejeitou continha alegações de que os eleitores precisavam ter recebido uma vacina contra a Covid-19 para votar. O Facebook, por outro lado, aceitou essa submissão.

    * Com informações de Clare Duffy, da CNN.