Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fed precisa parar alta de juros, diz ex-chefe do “FGC dos EUA” após falência de banco

    Sheila Bair fala que impressionante implosão do Silicon Valley Bank é exatamente motivo pelo qual Federal Reserve precisa interromper sua guerra contra inflação

    Matt Eganda CNN

    Nova York

    Sheila Bair, uma importante reguladora bancária durante a crise financeira de 2008, diz que a impressionante implosão do Silicon Valley Bank é exatamente o motivo pelo qual o Federal Reserve precisa interromper sua guerra contra a inflação.

    “O Fed precisa fazer uma pausa e avaliar o impacto total de suas ações até agora antes de aumentar ainda mais as taxas curtas”, disse Bair, ex-presidente da Federal Deposit Insurance Corporation, à CNN no domingo em entrevista por telefone.

    “Se eles parassem, isso teria um efeito de acomodação nos mercados”, falou Bair, que liderou o FDIC durante a falência do Washington Mutual em 2008. O Silicon Valley Bank perde apenas para o Washington Mutual em termos de maiores falências de bancos na história dos Estados Unidos.

    Antes de sexta-feira, os investidores esperavam um grande aumento da taxa de juros de meio ponto percentual na reunião do Fed de 21 a 22 de março. Bair destacou que um aumento desse tamanho não seria “bem aconselhado”, devido ao colapso do Silicon Valley Bank.

    Da mesma forma, o Goldman Sachs falou aos clientes no final do domingo que, “à luz do estresse no sistema bancário”, o banco não espera mais que o Federal Reserve entregue um aumento nas taxas na próxima semana.

    O Goldman, no entanto, ainda espera aumentos de juros de um quarto de ponto nas reuniões do Fed de maio, junho e julho, embora tenha acrescentado que há “uma incerteza considerável sobre o caminho”.

    Para combater a inflação, o Fed aumentou agressivamente as taxas de juros em um ritmo inédito desde o início dos anos 1980.

    Esses aumentos contribuíram para o colapso do Silicon Valley Bank de pelo menos duas maneiras principais.

    Primeiro, os custos de empréstimos mais altos abalaram as partes espumosas da economia dos EUA, especialmente a indústria de tecnologia que o Banco do Vale do Silício atendia.

    Em segundo lugar, os aumentos de juros do Fed minaram o valor dos títulos do Tesouro, dos quais os bancos dependem como fonte central de capital.

    “Quando o dinheiro fica mais apertado, os ativos financeiros perdem valor. Isso deve ser administrado com cuidado”, afirma Bair, que liderou o FDIC durante uma onda de falências de bancos durante a crise financeira global de 2008.

    No final do ano passado, os bancos americanos estavam com US$ 620 bilhões em perdas não realizadas (ativos que perderam valor, mas ainda não foram vendidos), de acordo com dados do FDIC. Esses ativos podem perder mais valor se o Fed continuar aumentando as taxas.

    O Vale do Silício registrou perdas de US$ 1,8 bilhão em títulos que detinha na semana passada, enquanto corria para vender títulos em uma tentativa de fortalecer seu balanço.

    Mas a notícia da necessidade de levantar dinheiro assustou os clientes, muitos deles startups de tecnologia.

    Eles entraram em pânico, arrancando US$ 42 bilhões somente na última quinta-feira, quando as ações do Silicon Valley Bank caíram 60%, de acordo com registros de reguladores da Califórnia.

    Ao final dos negócios naquele dia, o banco tinha um saldo de caixa negativo de cerca de US$ 958 milhões.

    “Foi uma corrida aos bancos”, falou Bair. “Pelo que sei, os ativos são de boa qualidade, se forem mantidos até o vencimento. Mas humanos são humanos.”

    A preocupação é que os clientes bancários e investidores possam começar a se afastar de outros bancos considerados os próximos elos mais fracos.

    É por isso que o governo dos EUA interveio com um plano de resgate extraordinário no domingo para garantir que os clientes fossem curados.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original