Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Em semana de agenda cheia, Ibovespa cai 0,6% e dólar recua 0,2%, a R$ 4,76

    Investidores estão cautelosos no Brasil à espera de ata do Copom, reunião do Banco Central sobre novas metas de inflação e divulgação de novo Plano Safra

    Sede da Bolsa de Valores B3
    Sede da Bolsa de Valores B3 28/10/2021REUTERS/Amanda Perobelli

    Da CNN* em São Paulo

    O Ibovespa fechou em queda de 0,62% nesta segunda-feira (26), fechando aos 118.242,95 pontos.

    O dólar, que chegou a subir um pouco frente ao real pela manhã, encerrou o dia em queda de 0,24%, cotado a R$ 4,766.

    As variações tem como pano de fundo uma nova melhora nas projeções de inflação e manutenção das estimativas de corte da Selic em agosto. As informações constam no Boletim Focus.

    Os agentes financeiros também operam com cautela de olho em uma semana agitada no Brasil.

    O principal destaque fica para a reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN), que acontece na quinta-feira (29) e pode alterar o modelo de meta de inflação do país.

    Ainda nesta semana, haverá a divulgação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), do IPCA-15 e do novo Plano Safra do país, entre outras.

    Segundo o Focus, os economistas mantém em R$ 5 a estimativa para o dólar ao fim de 2023. Para 2024, nova manutenção, em R$ 5,10. Em 2025, a projeção passou de R$ 5,18 para R$ 5,15 e para 2026 a estimativa foi mantida em R$ 5,25.

    A cotação do dólar passou por uma desvalorização no primeiro semestre de 2023 que não se via há sete anos no mercado brasileiro. A moeda americana caiu de R$ 5,23 no início do ano para R$ 4,77 na última quinta-feira (22), o menor patamar para o câmbio desde maio de 2022.

    Entre o dia 1º de janeiro e o dia 19 de junho, o dólar Ptax para venda, índice de referência para as operações de câmbio no mercado financeiro calculado pelo Banco Central, registrava um recuo de 8,38%. Este é o maior declínio para um primeiro semestre desde 2016, quando a cotação caiu 17,80%.

    Publicado por Danilo Moliterno; com informações da Reuters.