Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Funcionários do Twitter na África acusam Elon Musk de discriminação

    Twitter demitiu todos os funcionários africanos, exceto um, apenas quatro dias depois que a empresa abriu um escritório físico após a aquisição de Musk

    Larry Madowoda CNN

    Funcionários demitidos na sede do Twitter na África estão acusando o Twitter de “desrespeitar deliberada e imprudentemente as leis de Gana” e tentar “silenciá-los e intimidá-los” depois que foram demitidos.

    A equipe contratou um advogado e enviou uma carta à empresa exigindo que ela cumpra as leis trabalhistas do país da África Ocidental, forneça a eles uma indenização adicional e outros benefícios relevantes.

    Eles também fizeram uma petição ao governo de Gana para obrigar o Twitter a “cumprir as leis de Gana sobre redundância e oferecer aos funcionários uma negociação justa e um pagamento por demissão”, de acordo com uma carta ao chefe do trabalho do país obtida pela CNN.

    “Está claro que o Twitter, Inc. sob o comando do Sr. Elon Musk está deliberadamente ou imprudentemente desrespeitando as leis de Gana, está operando de má fé e de uma maneira que busca silenciar e intimidar ex-funcionários a aceitar quaisquer termos unilateralmente lançados contra eles”, a carta afirma.

    O Twitter demitiu todos os funcionários africanos, exceto um, apenas quatro dias depois que a empresa abriu um escritório físico na capital Accra após a aquisição de Elon Musk.

    Mas os funcionários de cerca de uma dúzia não receberam indenização, o que eles dizem ser exigido pelas leis trabalhistas de Gana, com base em seus contratos de trabalho.

    Eles também alegam que não foram informados sobre os próximos passos — ao contrário dos funcionários nos Estados Unidos e na Europa — até um dia depois que a CNN noticiou sua situação.

    Na carta ao Twitter Ghana Ltd, os funcionários africanos rejeitaram um “Acordo de Separação Mútua de Gana” do Twitter, que eles dizem ter sido enviado para seus e-mails pessoais oferecendo o pagamento final que a empresa afirma ter chegado após uma negociação .

    Vários membros da equipe e seu advogado disseram que não houve tal negociação sobre indenizações. Eles alegam que estava abaixo do exigido por lei e contradiz o que Musk twittou que os funcionários que partiriam receberiam.

    “Todos os que saíram receberam uma oferta de 3 meses de indenização, o que é 50% a mais do que o exigido legalmente”, tuitou Musk.

    O Twitter informou aos funcionários baseados em Gana no início de novembro que eles seriam pagos até o último dia de trabalho — 4 de dezembro. E continuarão a receber o pagamento integral e os benefícios durante o período de aviso prévio de 30 dias.

    “Foi muito vago, não falou sobre licença pendente ou folga remunerada, e apenas pediu que assinássemos se concordássemos. Nunca me preocupei em voltar ao documento porque é um lixo e ainda viola as leis trabalhistas aqui”, disse um ex-funcionário à CNN sob condição de anonimato.

    A equipe de Accra acusa o Twitter de tratá-los de má-fé, de falta de transparência e de discriminação em relação a funcionários demitidos em outras jurisdições.

    “Os funcionários estão angustiados, humilhados e intimidados com essa reviravolta. Há funcionários não ganenses, alguns com famílias jovens, que se mudaram para cá para trabalhar e agora foram deixados sem cerimônia em apuros, sem provisão para despesas de repatriação e nenhuma maneira de se comunicar com o Twitter”, diz o aviso ao Diretor de Trabalho de Gana.

    A advogada deles, Carla Olympio, diz que a rescisão repentina de quase toda a equipe violou a lei trabalhista de Gana porque é considerada uma “demissão” que requer um aviso de três meses às autoridades e uma negociação sobre o pagamento por demissão.

    “Em total contraste com as garantias internas da empresa dadas aos funcionários do Twitter em todo o mundo antes da aquisição, parece que pouca tentativa foi feita para cumprir as leis trabalhistas de Gana e as proteções nelas consagradas para trabalhadores em circunstâncias em que as empresas estão realizando demissões em massa devido a uma reestruturação ou reorganização”, escreveu ela em comunicado à CNN.

    Os funcionários disseram em seu apelo ao Chief Labor Officer de Gana que a entrada formal do Twitter no continente começou com “grande fanfarra e com o apoio do governo”, e esperam atenção semelhante à sua situação agora.

    Eles estão exigindo 3 meses de salário bruto como indenização, despesas de repatriação para funcionários não ganenses, aquisição de opções de ações fornecidas em seus contratos e outros benefícios, como continuação de assistência médica, oferecidos a funcionários em todo o mundo.

    A CNN entrou em contato com o Ministério de Emprego e Relações Trabalhistas de Gana para comentar.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original