Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Caos na Rússia pode significar problemas para a economia global; entenda

    Incerteza geopolítica pode prejudicar exportações e, assim, desequilibrar oferta e demanda

    Mark Thompsonda CNN Londres

    Após a pandemia e a guerra na Ucrânia, e o choque inflacionário que se seguiu, a economia global está em um estado precário. A última coisa de que precisa agora é outra surpresa desagradável.

    Isso foi quase o que aconteceu no fim de semana, quando mercenários russos insatisfeitos marcharam em direção a Moscou, atraindo um aviso severo do presidente Vladimir Putin de que o país estava à beira de uma “guerra civil” no estilo de 1917.

    A insurreição armada foi neutralizada – por enquanto – mas o desafio mais sério à autoridade de Putin em 23 anos ainda pode inaugurar um período de turbulência e mudança.

    “Putin vive um caos total agora”, disse à CNN o professor de Yale e especialista sobre a Rússia Jeffrey Sonnenfeld.

    A Rússia saiu do ranking das 10 maiores economias do mundo, com um PIB aproximadamente do tamanho da Austrália, mas continua sendo um dos maiores fornecedores de energia para os mercados globais – incluindo China e Índia – apesar das sanções do Ocidente impostas após a invasão em grande escala da Ucrânia em fevereiro de 2022.

    Analistas da Rystad Energy disseram que surtos de incerteza geopolítica nas principais nações produtoras de petróleo nos últimos 35 anos – variando de agitação civil a tentativas de golpe, conflitos armados e mudanças de governos – aumentaram em média 8% o preço da matéria-prima nos cinco dias após o evento desencadeador.

    Qualquer perda significativa de energia russa forçaria a China e a Índia a competir com as nações ocidentais pelo fornecimento de outros produtores.

    Se o caos político restringir as exportações de outras mercadorias, como grãos ou fertilizantes, isso também pode desequilibrar a oferta e a demanda. E isso pode elevar os preços para todos.

    Richard Bronze, chefe de geopolítica e cofundador da Energy Aspects, disse que os mercados agora precisam descobrir até que ponto os preços devem subir para refletir o maior risco para a oferta russa, uma visão compartilhada por outros analistas.

    “Essa aparentemente tentativa de golpe só traz incerteza, o que pode se refletir em preços mais altos”, disse Matt Smith, principal analista de petróleo das Américas da Kpler.

    “A turbulência e a incerteza que vimos nos últimos dias podem trazer suporte aos preços, dado o potencial de interrupções no fornecimento – e o medo delas – que não foram consideradas antes do fim de semana.”

    Os preços globais de energia e alimentos dispararam após a invasão da Ucrânia no ano passado, turbinando a inflação na Europa e nos Estados Unidos.

    Desde então, caiu de máximas de várias décadas, mas a batalha para controlar os preços ainda não acabou e agora está em uma fase decisiva.

    “Juntura crítica”

    “A última etapa da jornada para restaurar a estabilidade de preços será a mais difícil”, disse o Banco de Compensações Internacionais – o banco dos bancos centrais – em seu relatório anual no domingo.

    Há um “risco material de que uma psicologia inflacionária se instale”, levando ao que os economistas descrevem como uma espiral de preços e salários, afirmou.

    “A economia global está em um momento crítico. Desafios severos devem ser enfrentados”, disse o gerente geral Agustin Carstens na reunião geral anual do BCI em Basel.

    Os sinais de que a demanda global por energia pode enfraquecer este ano, à medida que as economias desaceleram, derrubaram os preços do petróleo nos EUA em quase 14% até agora este ano, para pouco menos de US$ 70 o barril (ele atingiu o pico acima de US$ 120 há um ano). A referência internacional – petróleo Brent – caiu por uma margem semelhante.

    Mas qualquer coisa que possa comprometer a capacidade da Rússia de continuar abastecendo os mercados globais de energia será observada com ansiedade pelos legisladores no Ocidente e pelos maiores clientes do país na Ásia.

    “Se alguma coisa… interromper esses fluxos, isso definitivamente seria um risco de alta para os preços do petróleo, principalmente porque já estamos entrando em uma parte do ano em que a demanda global por petróleo deve exceder significativamente a oferta”, disse Bronze.

    Uma nova Venezuela?

    A Líbia e a Venezuela fornecem histórias de advertência sobre como a guerra civil e os conflitos políticos internos podem prejudicar as exportações de energia.

    A produção de petróleo da Líbia caiu de cerca de 1,7 milhão de barris por dia para uma baixa recorde de apenas 365.000 em 2020, segundo a Agência de Informação Energética dos EUA.

    A produção venezuelana também atingiu uma baixa de várias décadas no mesmo ano, de acordo com a análise do Conselho de Relações Exteriores.

    A Rússia é um jogador muito mais importante. Com pouco menos de 10 milhões de barris por dia, produz cerca de 10% da demanda global de petróleo bruto.

    E com exportações totais de petróleo de quase 8 milhões de barris por dia, a Rússia é a segunda maior potência por uma ampla margem depois da Arábia Saudita na aliança Opep+ dos principais produtores de energia.

    As sanções ocidentais tiveram o efeito desejado de reduzir a quantidade de dinheiro que Moscou ganha com a energia, mas as exportações de petróleo da Rússia – em termos de volume – se recuperaram para níveis vistos antes da invasão da Ucrânia, enquanto a China e a Índia esgotam os barris evitados pelas nações do G7.

    Bronze, da Energy Aspects, foi cauteloso ao traçar paralelos com a Líbia e a Venezuela. Uma comparação melhor seria o resultado imediato da queda da União Soviética. Demorou muito para a indústria petrolífera russa se recuperar disso.

    “Você tinha problemas reais em termos de investimento e problemas reais em termos de estabilidade no setor petrolífero, que já havia sido fortemente danificado nos últimos anos da União Soviética”, acrescentou.

    Sonnenfeld disse à CNN que o risco de que a revolta russa possa se espalhar para enfraquecer a economia global caiu nos últimos 18 meses. A guerra na Ucrânia saiu pela culatra ao forçar a Europa a recorrer a fontes alternativas, acrescentou.

    Embora seja muito cedo para dizer que algo acontecerá ou mudará, “isso não acabou de forma alguma e, portanto, levanta novas questões sobre o que pode acontecer”, disse Bronze.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original